Opinião

Inflação vai descer para próximo de 3% em 2023, como disse Mário Centeno?

13 janeiro 2023 4:21

Pedro Brinca e João Borges de Assunção

Afirmação do governador do Banco de Portugal foi feita na Conferência do Expresso, no podcast “Money, Money, Money”

13 janeiro 2023 4:21

Pedro Brinca e João Borges de Assunção

SIM Assumindo que Centeno se refere a 3% como a taxa de variação homóloga de dezembro de 2023 e assumindo que é consistente com a previsão da instituição que tutela de 5,8% ao ano, estamos a falar de um abrandamento de 0,55 pontos percentuais (p.p.) por mês. Entre novembro e dezembro a inflação abrandou apenas 0,3 p.p, pelo que pode parecer um pouco otimista.

Mas penso que existem razões para estarmos otimistas. A subida de preços de 2022 resultou de uma tempestade perfeita que dificilmente se repetirá em 2023. As poupanças acumuladas durante o confinamento e o aumento massivo do endividamento público e da moeda em circulação alimentaram a capacidade de famílias, empresas e Estados de comprar bens e serviços, que chocou de frente com um tecido produtivo ainda a recuperar das disrupções que a pandemia trouxe às cadeias de abastecimento. Juntou-se a aceleração dos preços da energia e bens alimentares por via do conflito na Ucrânia. Mas quando falamos de inflação falamos de subida do nível de preços. Para que estes subissem de forma comparável em 2023 precisaríamos que não só se mantivessem, mas que se agravassem de forma comparável. E tudo aponta no sentido contrário.