Opinião

O valor da cultura organizacional no sistema de controlo interno ou como o exemplo deve vir sempre de cima

Mário Tavares da Silva

Mário Tavares da Silva

Associado do OBEGEF

18 novembro 2022 8:53

A organização que apresente uma cultura ética e de efetivo compromisso com a adoção permanente de boas práticas sentirá menos necessidade de desenvolver procedimentos de supervisão, monitorização ou controlo sobre a atuação dos seus colaboradores ou mesmo de desencadear procedimentos de revisão dos seus instrumentos e ferramentas de controlo, como sejam, por exemplo, os seus manuais de procedimentos, as suas opções de organização interna, as regras formais que a enformam, bem como os diversos procedimentos e controlos estritos instituídos

18 novembro 2022 8:53

Numa aceção simples, o sistema de controlo interno traduz o processo que permite às organizações assegurar uma eficiente e eficaz concretização dos seus objetivos, com base em informação financeira fiável, completa, tempestiva e, sobretudo, em conformidade com as leis e com as diferentes regulamentações e políticas aplicáveis. A este propósito, recorde-se o decisivo impulso dado pela lei Sarbanes-Oxley (SOX) em agosto de 2002, que procurou melhorar o controlo interno e reforçar a fiabilidade dos relatórios financeiros, passando a exigir-se aos gestores que certificassem as demonstrações financeiras periódicas, avaliassem a eficácia do sistema de controlo interno sobre a completude e fiabilidade da informação constante das respetivas demonstrações financeiras e que procedessem à divulgação, sempre que tal se justificasse, de quaisquer alterações materiais efetuadas aos respetivos sistemas de controlo interno.