Opinião

O PCP ainda pode ambicionar ser “o partido da classe operária”?

14 novembro 2022 7:45

O problema do PCP não é se tem uma cara mais mediática a liderá-lo, apesar de isso poder ajudar. Nem se sobe ou desce uns pontos em eleições, apesar de isso ser fundamental para manter instrumentos políticos para a sua intervenção. A questão central é se o PCP tem condições para continuar a ambicionar ser “o partido da classe operária”. Se se adapta uma realidade em que a exploração se agudizou, mas ganhou contornos absolutamente novos. Pode optar por ser uma fortaleza de resistência e de memória. Não chega para um partido revolucionário

14 novembro 2022 7:45

É evidente a frustração com que as televisões costumam acompanhar os momentos mais importantes da vida do PCP, incluindo o seu último Encontro Nacional, sempre à espera do comboio numa paragem de autocarro, para usar uma imagem de Sérgio Godinho. Quem quer compreender uma realidade, uma instituição, um grupo de pessoas ou um partido tem, antes de ter qualquer posição sobre essa realidade, instituição ou grupo de pessoas, de compreendê-la. O anticomunismo existe, mas ao contrário do que pensam os militantes comunistas não é ele que impede a compreensão do que é o PCP. É um vício de forma. O espaço mediático é um palco prefabricado. Quem sobe a esse palco e não segue as regras da dramaturgia mediática torna-se incompreensível.