Opinião

A caminho dos “territórios desconhecidos de destruição”

23 setembro 2022 0:00

Décadas de passividade perante os avisos que o planeta foi dando conduziram ao que de repente parece uma súbita aceleração dos indicadores
do desastre

23 setembro 2022 0:00

Conheço uma casa no Alentejo que foi construída em frente a um lago que nunca seca, mesmo nos anos mais secos como este de 2022, pois que, além de recolher a água das chuvas, é alimentado por duas nascentes. Até há uns anos, aquele lago parecia uma Arca de Noé ou um filme ao vivo da “National Geo­graphic Magazine”: não havia quase animal algum autóctone que não vivesse ou não parasse por ali, em terra, no ar ou na água. Havia perdizes, lebres, raposas e uma tal abundância de coe­lhos que mais parecia uma invasão; no ar voavam constantemente bandos de patos-bravos e cordas de pombos-bravos, que, de tantos, às vezes até assustavam; mais carraceiras, rabilongos, águias em voos de rapina circulares, e ao longe ouvia-se o som do cuco e do pica-pau; nas margens do lago passeavam entre os tufos de erva toda a espécie de aves aquáticas, desde as galinhas-d’água até às garças, brancas e cinzentas, e mesmo, de quando em vez, flamingos; e na água viviam lagostins-de-água-doce e peixes — carpas, bogas, achigãs — que nasciam na Primavera e saltavam de alegria fora da água no Verão. Mas, acima de tudo, o que mais impressionava era o inacreditável concerto de rãs à beira do lago nos finais de tarde, que chegava a ser ensurdecedor, até o sol se pôr e ser então substituído pelo canto dos grilos e o piar das aves nocturnas, mochos e corujas, chamando-se uns aos outros através das sombras dos sobreiros e das azinheiras.