Opinião

A rendição

22 julho 2022 0:00

Numa guerra, toda a gente pode tomar partido pelo lado que considera justo, esquecendo tudo o resto. Mas o jornalismo não

22 julho 2022 0:00

Em Maio, quatro dias antes de completar 99 anos, Henry Kissinger foi a Davos, o fórum dos bem-pensantes donos do mundo. Embora Davos tenha servido sempre para que os grandes se acomodassem quanto ao essencial, fingindo diferenças no acessório (normalmente a cargo de cantores rock ou ambientalistas sazonais), desta vez a agenda era inteiramente monocórdica e pré-formatada: o apoio incondicional à Ucrânia e à continuação da guerra contra a Rússia de todas as formas e a qualquer custo. Mas alguém se esqueceu de avisar disso a velha raposa da política externa americana, mestre da realpolitik, doutor honoris causa do cinismo e o Prémio Nobel da Paz com mais mortes na consciência de toda a história da Academia Sue­ca. E assim, julgando que as coisas ainda eram como antes e que o que se esperava de si era um conselho feito de experiência e visão do futuro, num mundo sem ilusões de amanhãs cantantes — ao contrário das patetices ditas e agora recuperadas por Fukuyama —, Kissinger disse o que lhe parecia avisado: a) que era urgente terminar com a guerra na Ucrânia, que em nada servia ao Ocidente e, em particular, à Europa; b) que, para tal, era necessário dar uma saída a Putin; c) que essa saída teria de passar pelo reconhecimento da anexação da Crimeia e um estatuto especial para o Donbas — (o regresso à situação anterior à invasão e aos Acordos Kiev-2) — ou mesmo a cedência de território por parte da Ucrânia; d) que a verdadeira ameaça à Europa e aos Estados Unidos não vinha da Rússia, mas da China.