Luanda Leaks

Luanda Leaks. O que dizia o Governo sobre Isabel dos Santos antes da investigação? Nada de crítico

22 janeiro 2020 13:00

tiago petinga

Em 2016, António Costa, sob o receio da “espanholização” da banca, deu luz verde e “agilizou” a entrada de Isabel dos Santos no BCP, que entretanto não se concretizou. Caldeira Cabral chegou a agradecer-lhes os investimentos no país. Nos últimos cinco anos, incluindo na era de José Eduardo dos Santos, Augusto Santos Silva defendeu sempre um estreitamento das ligações económicas de Portugal com Angola. Nenhum membro do Governo alguma vez criticou a empresária angolana

22 janeiro 2020 13:00

Nos últimos cinco anos, António Costa e Augusto Santos Silva nunca atiraram farpas ou abordaram alegadas ilicitudes nos investimentos de Isabel dos Santos, agora revelados pela investigação Luanda Leaks. Na realidade, em 2016, o primeiro-ministro fez mais do que manter a distância: sob o receio da “espanholização” da banca, e como moeda de troca da sua saída do BPI, chamou a empresária a São Bento e deu luz verde à sua entrada no BCP. O negócio não chegou a concretizar-se mas António Costa reforçaria a ideia de que o capital da empresária era bem vindo: “Era o que faltava haver discriminação do investimento em razão da nacionalidade", afirmaria.