Guerra na Ucrânia

Zelensky pede mais apoio ao ocidente e diz que língua russa vai passar a ser associada na Ucrânia a "explosões e mortes"

27 março 2022 10:48

Salomé Fernandes

Salomé Fernandes

jornalista da secção internacional

presidential press service handout handout

O Presidente da Ucrânia reiterou pedidos de equipamento militar à Europa e aos Estados Unidos, numa comunicação em que acusa os invasores de serem os causadores de “desrussificação” na Ucrânia

27 março 2022 10:48

Salomé Fernandes

Salomé Fernandes

jornalista da secção internacional

Numa comunicação feita na noite de sábado para domingo, Volodymyr Zelensky voltou a pedir à Europa e aos Estados Unidos tanques e aviões para combater a invasão russa. “Quem é que lidera a comunidade transatlântica? Ainda é Moscovo, pela intimidação?”, perguntou.

Referindo os defensores de Mariupol, a cidade portuária que tem sido bombardeada com intensidade e que está cercada pelos russos, continuou no mesmo apelo: “Desejo que pelo menos uma percentagem da sua coragem vá para aqueles que estão a pensar há 31 dias sobre se devem transferir uma ou duas dezenas de aviões e tanques. A Ucrânia não pode abater mísseis russos com metralhadoras. E é impossível libertar Mariupol sem um número suficiente de tanques, outros veículos armados e, claro, aviação”.

Os apelos a um maior apoio foram acompanhados da vontade de responsabilização dos Estados Unidos e a Europa. O Presidente da Ucrânia quer que “toda a gente compreenda quem e porquê é que estava simplesmente com medo de prevenir esta tragédia”.

Associar a língua à guerra

Zelensky também respondeu às críticas que têm sido feitas quanto à preservação da língua russa no território, acusando a ocupação russa de levar a população a querer deixar de a falar. “Porque a língua russa vai ser associada a vocês. Só com vocês. Com estas explosões e mortes. Com os vossos crimes”, disse.

Apontando que as forças russas estão a deportar civis, intimidar professores, fazer reféns e a colocar cartazes em territórios ocupados a apelar a que não haja receio de falar russo, Zelensky afirma que “a própria Rússia está a fazer tudo para garantir que a desrussificação ocorra no território do nosso Estado”. Algo que considera “outra manifestação" de uma "política suicida”.

A proteção do russo na Ucrânia é uma das exigências da Rússia para um acordo de paz. Além disso, Putin recentemente alegou que Ocidente está a tentar cancelar a cultura russa.

O Presidente da Ucrânia chamou também a atenção para o ataque que danificou o memorial do Holocausto perto de Kharkiv. Segundo Zelensky, as tropas russas receberam ordens de “destruir tudo” o que torna a Ucrânia numa nação – pessoas e cultura. “Foi exatamente assim que os nazis tentaram capturar a Europa há 80 anos. É exatamente assim que os ocupantes agem na Ucrânia. Ninguém os perdoará. Haverá responsabilidade. Tal como há 77 anos. Muito provavelmente não em Nuremberga. Mas o significado será semelhante”.