Eleições Americanas

Trump banido “por tempo indeterminado” do Facebook, diz o diretor-executivo Mark Zuckerberg

7 janeiro 2021 16:05

sopa images

Mark Zuckerberg, diretor-executivo do Facebook, anunciou esta quinta-feira que o ainda Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi banido da rede social "por tempo indeterminado". Os confrontos de terça-feira no Capitólio estão a criar pressão extra sobre as grandes redes sociais para dominarem o discurso de ódio e incitação à violência

7 janeiro 2021 16:05

"Aceditamos que os riscos de permitir que o Presidente continue a utilizar os nossos serviços durante este período são demasiado elevados. Por isso, vamos alargar o período de bloqueio às suas contas de Facebook e Instagram por tempo indeterminado, mas pelo menos por duas semanas, até uma transição pacífica de poder estar concluída", disse Mark Zuckerberg, citado pelo "Washington Post".

Na terça-feira, após a invasão do Capitólio, o Twitter também decidiu impedir Donald Trump de publicar, uma vez que o Presidente optou por utilizar a sua conta para desculpar os invasores ou pelo menos colocar-se do lado de algumas da suas reivindicações. Primeiro disse que a atitude dos revoltosos não é assim tão estranha, dado que eles, disse Trump, se sentem "defraudados". Pouco depois ofendeu o seu vice-Presidente, Mike Pence, por este se recusar a negar a eleição ao Presidente eleito Joe Biden, algo que a Constituição, de qualquer forma, não permite. Numa terceira publicação, via-se um vídeo de Trump a pedir aos seus apoiantes que fossem para casa, mas não sem antes repetir várias vezes que as eleições presidenciais foram uma fraude.

“Em resultado da situação violenta sem precedentes em Washington, DC, exigimos a remoção de três tweets da conta @realDonaldTrump que foram publicados hoje por violações repetidas e graves da nossa política de integridade cívica”, disse a equipa de segurança do Twitter através do próprio Twitter.

O Twitter seguiu o exemplo do Facebook que já tinha removido o mesmo vídeo uns minutos antes. “Esta é uma situação de emergência e estamos a tomar as medidas de controlo que achamos adequeadas, de entre as quais a remoção do vídeo do presidente Trump que, acreditamos, que contribui, em vez de diminuir, o risco de violência contínua”, explicou, no Twitter, Guy Rosen, vice-presidente de equipa de controlo de publicações nocivias no Facebook.

A conta do Presidente não foi apagada e Trump deverá voltar a poder publicar quinta-feira de manhã. A conta não foi apagada, um passo que nem o Facebook nem o Twitter decidiram ainda dar. Alguns utilizadores interrogaram-se sobre esta decisão mas ambas as redes sociais argumentam que é preciso deixar o público ver se não a totalidade pelo menos a maioria daquilo que as figuras eleitas publicam porque isso é uma forma, acreditam, de elucidar potenciais eleitores.