Internacional

Dezenas de milhares manifestam-se em Madrid contra governo de Pedro Sánchez

21 janeiro 2023 14:43

Um mar de gente, este sábado, em redor da Praça Cibeles, em Madrid

susana vera / reuters

O protesto foi convocado por associações da sociedade civil e contou com o apoio dos partidos da direita e extrema-direita. No centro do descontentamento estão os pactos celebrados pelo Governo do socialista Pedro Sánchez com independentistas catalães e bascos. Espanha tem eleições legislativas marcadas para finais deste ano

21 janeiro 2023 14:43

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se, este sábado, em Madrid contra o Governo espanhol do socialista Pedro Sánchez, num protesto convocado por associações da sociedade civil e apoiado pelos partidos da direita e extrema-direita.

O protesto juntou cerca de 31 mil pessoas na praça Cibeles, no centro da capital, segundo as autoridades do governo e a polícia, o que contrasta com os dados dos organizadores que afirmam que estiveram 500 mil na manifestação.

O protesto foi batizado como "manifestação das direitas" por parte da comunicação social espanhola, apesar de os organizadores serem cerca de uma centena de associações da sociedade civil, de âmbito nacional e regional, e de os partidos terem estado como convidados, sendo o objetivo ficarem em segundo plano.

Vox representado ao mais alto nível

Só um dos partidos convidados, o VOX (extrema-direita), enviou à manifestação o seu presidente, Santiago Abascal, enquanto a maior força política da oposição, o Partido Popular (PP) e o Cidadãos fizeram-se representar por outros dirigentes.

Todos, porém, apelaram à participação na manifestação e o presidente do PP, Alberto Núñez Feijóo, justificou a sua ausência com o objetivo de dar o palco à sociedade civil e assim mostrar ao Governo espanhol a dimensão do descontentamento.

A bandeira espanhola foi praticamente o único símbolo usado pelos manifestantes, que saíram à rua convocados com o mote "Por Espanha, pela democracia e pela Constituição".

Alvo: pactos do Governo com independentistas

O alvo das críticas foram os pactos do Governo liderado por Sánchez com independentistas da Catalunha e do País Basco, "separatistas e herdeiros da [associação terrorista] ETA”, como foram qualificados durante o protesto.

O outro alvo das críticas foram "o assalto partidário" por parte do partido socialista (PSOE) a instituições do Estado, que devem funcionar de forma independente e livre como o Tribunal Constitucional, o Ministério Público, meios de comunicação social públicos ou o Instituto Nacional de Estatística.

"Não se trata de esquerdas, direitas ou centro, mas de não ficar impávido perante a erosão das instituições, a deterioração da democracia e o debilitamento do Estado", defenderam os organizadores num manifesto lido na Praça Cibeles.

“Sánchez traidor”, gritou-se na Praça Cibeles

A leitura do texto foi interrompida com gritos de "Governo, demissão", "Sánchez traidor", "Viva Espanha" ou "Espanha unida jamais será vencida".

"Trata-se de defender a democracia, a Constituição e a Espanha que querem a maioria dos espanhóis, não a que querem os seus inimigos", dizia ainda o texto.

Todo o manifesto insistiu na defesa da "Espanha unida", face aos "seus inimigos", com o texto a lembrar que o Governo espanhol indultou os protagonistas da tentativa de autodeterminação da Catalunha de 2017.

E também que no final do ano passado mudou o Código Penal para abolir o crime de sedição, que tinha levado à cadeia quem, naquele ano "tentou levar a cabo um golpe de Estado".

Para os manifestantes, que fizeram eco do discurso dos partidos da direita e da extrema-direita, o Governo de Sánchez está sem legitimidade por receber o voto da maioria dos espanhóis com base em promessas de fazer cumprir a condenação dos independentistas catalães, de nunca se aliar com "os herdeiros diretos" da ETA, de lutar contra a corrupção e de "regenerar a democracia".

Sanchez está, porém, "a fazer exatamente o contrário", defenderam.

A bengala dos catalães e dos bascos

Sem uma maioria absoluta de apoio no parlamento, Sánchez tem contado e negociado com os independentistas catalães e também com os bascos, além de outras formações mais pequenas, para aprovar leis como o Orçamento do Estado.

Foram também esses partidos que permitiram a tomada de posse do próprio Governo, uma coligação do partido socialista com a plataforma de extrema-esquerda Unidas Podemos.

A manifestação deste sábado coincide com o arranque de um ano eleitoral em Espanha, que terá eleições regionais e municipais em maio e legislativas gerais no final de 2023.

O manifesto lido em Madrid terminou com um "apelo a toda a sociedade civil e partidos comprometidos com a ordem constitucional e a soberania indivisível da nação" a fazerem ouvir "o clamor" contra os socialistas e o resto da esquerda atualmente no governo.