Internacional

Reino Unido: Braço de ferro entre sindicatos e primeiro-ministro Rishi Sunak

20 janeiro 2023 9:47

Francisca Ferreira Marques, em Londres

Protesto de profissionais de saúde britânicos diante da residência do primeiro-ministro

toby melville/reuters

Após seis meses de caos nos transportes, professores e enfermeiros saem à rua. Governo contra-ataca

20 janeiro 2023 9:47

Francisca Ferreira Marques, em Londres

Matt Tacey não tem dúvidas. “Muitas vezes ouvimos dizer que o Serviço Nacional de Saúde está em rutura. Na realidade, o NHS [sigla inglesa] já ruiu.” Enfermeiro há nove anos em East Midlands, no centro de Inglaterra, afirma que as condições de trabalho atuais põem em causa a segurança dos pacientes. “Temos tantos trabalhadores e recursos em falta que os nossos doentes não estão a receber os cuidados de que precisam.” Os dados oficiais apontam uma carência de 10% de enfermeiros para o normal funcionamento do sistema de saúde público.

Aos 32 anos, este membro do Royal College of Nursing, um dos sindicatos que convocaram a greve desta semana, é perentório nas reivindicações. “Precisamos de um aumento de ordenado urgente. Exigimos 5% acima da inflação, o que se situa nos 19%.” Tacey afirma que na última década os enfermeiros tiveram uma perda efetiva de 20% do ordenado. “Não é de estranhar que tenhamos 50 mil vagas por preencher”, atira o jovem.