Internacional

Bento XVI: Francisco realça "procura apaixonada" de predecessor em comunicar o Evangelho

Bento XVI: Francisco realça "procura apaixonada" de predecessor em comunicar o Evangelho
KAI PFAFFENBACH/REUTERS

Nas cerimónias fúnebres do Papa emérito Bento XVI, o Papa Francisco citou São Gregório Magno, um dos quatro grandes Padres da Igreja latina ou ocidental, e disse que Bento XVI permaneceu "a flutuar na mesa de orações"

O Papa Francisco destacou esta quinta-feira a "busca apaixonada" de Bento XVI para comunicar o Evangelho e instou a Igreja a "seguir esses passos" ao falar nas cerimónias fúnebres solenes do papa emérito na Praça de São Pedro, no Vaticano.

"Também nós, agarrados às últimas palavras do Senhor e ao testemunho que marcou a sua vida, queremos, como comunidade eclesial, seguir as suas pegadas e confiar o nosso irmão nas mãos do Pai: Que estas mãos de misericórdia encontrem a sua lâmpada acesa com o óleo do Evangelho, que difundiu e testemunhou durante a sua vida", destacou o Pontífice na homilia da Missa que concelebrou em conjunto com 120 cardeais, cerca de 400 bispos e quase 4.000 sacerdotes e dezenas de milhar de fiéis.

Diante do altar estava o caixão de cipreste contendo os restos mortais do Papa alemão, juntamente com alguns objetos pessoais do seu pontificado, e em que as primeiras filas foram ocupadas por aquela que havia sido a sua família nos últimos anos - o seu secretário, Georg Gänswein, e os membros consagrados dos Memores Domini que se dedicaram ao serviço de Bento XVI.

O Papa citou São Gregório Magno, um dos quatro grandes Padres da Igreja latina ou ocidental, e disse que Bento XVI permaneceu "a flutuar na mesa de orações".

Desta forma, elogiou "a consciência do Pastor" que se abandona à oração: "Ele não pode suportar sozinho o que, na realidade, jamais poderia suportar sozinho e, por isso, é capaz de abandonar-se à oração e ao cuidado das pessoas a ele confiadas", sublinhou Francisco.

Na homilia, o Papa apenas nomeou o seu predecessor como "nosso irmão" -- ao contrário de Bento XVI nas canonizações de João Paulo II e João XXIII -, mas, na frase final da intervenção, acabou por referiu-se diretamente ao nome: "Bento, amigo fiel do Pai [Deus], que seja perfeita a tua alegria quando ouvires a sua voz de forma definitiva e para sempre".

Pelo contrário, na missa fúnebre de João Paulo II em 2005, o então cardeal Joseph Ratzinger referiu-se-lhe oito vezes como João Paulo II e pelo nome próprio 'Karol'.

Francisco destacou que os fiéis, como "as mulheres do Evangelho" diante do túmulo de Jesus, rezam diante de Bento XVI "com o perfume da gratidão e o unguento da esperança para mostrar-lhe, mais uma vez, aquele amor que não se perde".

"É o povo fiel de Deus que, reunido, acompanha e confia a vida de quem foi o seu pastor", acrescentou.

Na cerimónia, as leituras do Evangelho foram proferidas em inglês, espanhol e italiano.

Como não se trata de um funeral de Estado, apenas duas delegações oficiais estão presentes: as de Itália e da Alemanha, país natal do falecido, embora também tenham comparecido autoridades de outros países, mas a título pessoal, como o rei Felipe da Bélgica, ou o presidente da Polónia, Andrzej Duda, entre outros.

O Estado português estará representado nas cerimónias pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que tem previsto para hoje um encontro, na Basílica de São Pedro, com o Papa Francisco, e pela ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro.

Não é a primeira vez que um Papa participa do funeral de outro.

Em 1802, Pio VII recebeu os restos mortais de Pio VI, falecido no exílio em França em 1799, e assistiu à solene missa fúnebre em São Pedro.

A partir deste sábado não haverá dois Papas a conviver em conjunto no Vaticano, apesar de um deles ser apenas emérito e o outro reinante.

Bento XVI passou os últimos dez anos afastado do mundo, dedicado ao estudo e à oração, mas a sua figura foi instrumentalizada por uma parte da Cúria Romana contra Francisco.

O funeral e a sepultura nas criptas do Vaticano marcam um novo começo para o Papa argentino, que completará dez anos de pontificado em março.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas