Internacional

Alta tensão no Brasil, com posse de Lula: suspense mantém-se até 2 de janeiro

30 dezembro 2022 21:41

Preparativos para a cerimónia de tomada de posse de Lula da Silva, no Palácio do Planalto, em Brasília

evaristo sa / afp / getty images

É inédito o grau de ameaça à posse de um Presidente eleito democraticamente na história republicana do Brasil. Antevêem-se dois desafios imediatos ao Governo de Lula da Silva: políticas que mostrem o cumprimento das promessas na área social e a pacificação do país.

30 dezembro 2022 21:41

O último ato antidemocrático de Jair Bolsonaro como Presidente da República será a recusa em transmitir o cargo para o seu sucessor, como manda o rito republicano. Tudo indica que no domingo, 1 de janeiro, o político de extrema-direita que não aceitou a derrota vá estar nos Estados Unidos, talvez numa casa em Mar-a-Largo, na Florida, no condomínio que é propriedade do seu guru, Donald Trump. Luiz Inácio Lula da Silva será empossado no Congresso e, provavelmente, receberá a faixa presidencial das mãos do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

As semanas que antecedem esse ritual têm sido de tensão, devido a manifestações antidemocráticas que pedem o regresso da ditadura militar e tentativas de atos terroristas que visam impedir a posse. Ao mesmo tempo, foram semanas de negociações políticas para a nomeação dos titulares de 37 ministérios, o que não é simples, visto que é preciso contemplar o vasto espetro político que compõe a frente ampla com a qual Lula da Silva conquistou a vitória.