Internacional

Pelo menos 59 mortes nos EUA devido à tempestade Elliot

29 dezembro 2022 9:06

getty images

Causada por uma frente fria ártica, a tempestade afetou os Estados Unidos desde os Grandes Lagos, perto da fronteira com o Canadá, até ao rio Bravo, ou Grande, na fronteira com o México

29 dezembro 2022 9:06

Pelo menos 59 pessoas morreram nos Estados Unidos, devido à tempestade Eliot, cujo impacto continua a sentir-se em Buffalo, no estado de Nova Iorque, e nos aeroportos, com centenas de milhares de passageiros com os voos cancelados.

Só no condado de Erie, no estado de Nova Iorque, onde fica a cidade de Buffalo, perto da fronteira com o Canadá, morreram 37 pessoas, de acordo com um novo balanço hoje divulgado, citado pela Agência France Presse (AFP).

Segundo as autoridades, várias pessoas morreram porque não tinham aquecimento em casa para enfrentar um frio polar. Outras foram encontradas sem vida em carros e na rua.

No Natal, o frio chegou a grande parte do país, inclusive aos estados do Texas e da Florida, que não estão habituados a invernos rigorosos.

As temperaturas começaram hoje a aumentar, mas "com o derretimento da neve esperam-se possíveis inundações, devido à rapidez com que derrete", advertiu um responsável do condado de Erie, citado pela AFP.

A governadora do estado de Nova Iorque, Kathy Hochul, pediu às populações para se prepararem para "inundações potencialmente perigosas", estando prontos da distribuição bombas de água, geradores e sacos de areia.

A proibição de circular de carro mantém-se em vigor em Buffalo.

Nos aeroportos, nomeadamente em Denver (no estado do Colorado), Chicago (Illinois) e Baltimore (Maryland) as perturbações continuam, devido aos cancelamentos em série de voos no fim de semana do Natal.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, aprovou na terça-feira a declaração de emergência para o estado de Nova Iorque, de modo a facilitar a ajuda federal para dar resposta às necessidades da população.

O Presidente norte-americano autorizou o Departamento do Interior e a Agência de Gestão de Emergência a coordenar as ações necessárias para lidar com a situação e "aliviar a adversidade e o sofrimento" causados pela tempestade, de acordo a Casa Branca, em comunicado.

Causada por uma frente fria ártica, a tempestade afetou os Estados Unidos desde os Grandes Lagos, perto da fronteira com o Canadá, até ao rio Bravo, ou Grande, na fronteira com o México, afetando cerca de 60% da população do país.

Fortes nevões e ventos ciclónicos deixaram milhares de pessoas isoladas nas suas casas, milhares de passageiros retidos, na véspera de Natal, devido a voos cancelados e a estradas bloqueadas, além de cortes no fornecimento de energia em quase 1,7 milhões de residências e empresas devido a ruturas na infraestrutura elétrica.

A cidade de Nova Iorque alcançou uma temperatura mínima de -10,5° Celsius (C) no dia de Natal, o que não acontecia desde 1872, enquanto Washington, a capital dos EUA, esteve com -10°C no Natal mais frio desde 1983 e Tampa, na Florida, chegou a marcar temperaturas abaixo de zero, o que não acontecia desde 1966.