Internacional

Rússia recusa a extradição dos dois cidadãos russos condenados pelo derrube de avião da Malaysian

17 novembro 2022 17:36

piroschka van de wouw/reuters

Porta-voz adjunto do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Ivan Nechaev, afirmou que aquilo que Moscovo pode fazer neste momento é "analisar" a decisão do tribunal do distrito de Haia

17 novembro 2022 17:36

A Rússia assegurou esta quinta-feira que "analisará" o veredito da justiça neerlandesa, que condenou à revelia a prisão perpétua dois cidadãos russos e um ucraniano pró-Moscovo pelo derrube do avião da Malaysian Airlines, em 2014, mas descartou qualquer extradição. Segundo o porta-voz adjunto do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Ivan Nechaev, o que Moscovo pode fazer neste momento é "analisar" a decisão do tribunal do distrito de Haia.

"Cada pormenor importa e, após analisar todos os dados, estaremos seguramente dispostos a comentar", afirmou Nechaev. No entanto, fontes próximas do Governo russo adiantaram à agência noticiosa Interfax que está excluído que sejam extraditados para os Países Baixos os dois cidadãos russos condenados à revelia, Igor Girkin e Sergei Dubinsky.

"A Constituição russa estabelece uma proibição direta da extradição de cidadãos russos para países estrangeiros. Portanto, nem um nem outro serão enviados para solo neerlandês", disse à Europa Press fonte das forças de segurança russas, sob condição de anonimato.

Girkin e Dubinsky, juntamente com o ucraniano Leonid Kharchenko, foram considerados culpados de assassínio por terem participado da destruição do avião da Malaysian Airlines, que provocou 298 mortes.

No julgamento, que durou mais de dois anos, ficou provado que o Boeing 777, que voava de Amesterdão para Kuala Lumpur, foi atingido por um míssil 'Buk', de fabrico russo, disparado por combatentes ucranianos pró-Moscovo a 17 de julho de 2014, lançado de um território localizado na região de Lugansk.

JSD // PDF

Lusa/Fim