Internacional

Dois candidatos vão disputar com Teodoro Obiang as presidenciais da Guiné Equatorial

Teodoro Obiang
Teodoro Obiang
LUDOVIC MARIN

Teodoro Obiang detém aos 80 anos o recorde mundial de longevidade no poder para um chefe de Estado vivo, à exceção das monarquias

Dois candidatos vão defrontar a 20 de novembro na Guiné Equatorial o Presidente Teodoro Obiang que se candidata a um sexto mandato após mais de 43 anos na liderança deste país da África central, anunciou a televisão estatal.

Reeleito em 2016 com mais de 93,7% dos votos, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo – que dirige o pequeno país com mão de ferro –, detém aos 80 anos o recorde mundial de longevidade no poder para um chefe de Estado vivo, à exceção das monarquias. A Guiné Equatorial, rica em hidrocarbonetos, é um dos Estados mais fechados e autoritários do mundo.

A Comissão Eleitoral Nacional (CEN) encerrou na sexta-feira o prazo das candidaturas para as eleições presidenciais, legislativas, senatoriais e municipais, previstas para o mesmo dia, 20 de novembro, e proclamou oficialmente os candidatos admitidos, indicou a televisão estatal TVGE, citada no domingo pelas agências internacionais.

Para além de Obiang – que se apresenta pelo Partido Democrático da Guiné Equatorial (PDGE), partido único até 1991 nesta antiga colónia espanhola –, a lista de candidatos presidenciais conta com os nomes de Andrès Esono Ondo e de Buenaventura Monsuy Asumu.

Andrès Esono Ondo, que concorre pela primeira vez, será o candidato da Convergência para a democracia social (CPDS), o único partido da oposição que não está ilegalizado. Já Buenaventura Monsuy Asumu, do partido da coligação social-democrata (PCSD), até agora aliado do PDGE nos escrutínios legislativos e municipais, concorre pela terceira vez.

O PGDE detém 99 dos 100 lugares da Assembleia nacional cessante e a totalidade dos 55 assentos do Senado.

Há várias semanas que as forças de segurança estão envolvidas numa campanha de detenções de opositores, após o regime denunciar uma “conspiração” da oposição, cujos dirigentes vivem em larga maioria no exílio, e que previa “atentados” contra “postos de abastecimento de gasolina, embaixadas ocidentais e residências de ministros”.

Após a violenta detenção de mais de 150 militantes do ilegalizado Cidadãos pelo inovação (CI), incluindo o seu líder Gabriel Nse Obiang Obon, e de ativistas dos direitos humanos como Anacleto Micha Ndong Nlang e Leoncio Prisco Eko Mba - um músico conhecido como "Adjoguening" -, a Rede de defensores dos direitos humanos na África central (REDHAC), sediada nos Camarões, denunciou em comunicado “uma vaga de repressão destinada a silenciar a população (…) com a aproximação das eleições”.

A Guiné Equatorial é membro de pleno direito da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) desde 2014.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas