Internacional

Quase 1000 migrantes atravessaram o Canal da Mancha num dia

4 setembro 2022 17:01

Migrantes resgatados no Canal da Mancha

henry nicholls/reuters

Segundo dados do Ministério da Defesa britânico, 960 pessoas fizeram a perigosa travessia a bordo de 20 embarcações improvisadas, elevando o número total de travessias desde o início deste ano para mais de 26.000

4 setembro 2022 17:01

Cerca de mil migrantes atravessaram no sábado o Canal da Mancha para chegarem ao Reino Unido, indicou hoje o Ministério da Defesa britânico.

Segundo dados oficiais britânicos, 960 pessoas fizeram a perigosa travessia a bordo de 20 embarcações improvisadas, elevando o número total de travessias desde o início deste ano para mais de 26.000.

Na sexta-feira, outras 221 pessoas chegaram em embarcações improvisadas ao Reino Unido depois de atravessarem o Canal da Mancha, um dos mais movimentados ao nível da navegação em todo o mundo.

O número das travessias realizadas no Canal da Mancha por migrantes está a aproximar-se de bater o recorde de 2021, quando 28.500 pessoas chegaram a solo britânico.

Desde 2018 que as travessias realizadas por migrantes utilizando embarcações improvisadas se multiplicaram, perante o crescente bloqueio do porto francês de Calais e do túnel da Mancha.

Um relatório recente do parlamento britânico prevê que o total de migrantes que atravessam a Mancha possa chegar aos 60.000 no final deste ano, apesar das repetidas promessas do Governo conservador britânico, que considerou este assunto como uma prioridade desde o Brexit, ao pagar milhões de libras à França para poder ajudar a reforçar a vigilância das costas, além de ter tomado diversas medidas para impedir o acolhimento dos migrantes.

Londres chegou mesmo a fechar um controverso acordo com o Ruanda para reenviar para este país da África Oriental os requerentes de asilo que chegassem em embarcações a território britânico.

No entanto, nenhuma das expulsões ocorreu ainda. Um primeiro voo programado para junho foi cancelado após uma decisão do Tribunal Europeu de Direitos Humanos (CEDH). Mas os candidatos conservadores à sucessão de Boris Johnson, Rishi Sunak e Liz Truss, já disseram que iam continuar com esta política.