Internacional

Mali: ataques causam a morte de três civis, 15 soldados e 48 atacantes

28 julho 2022 17:52

getty images

Na quarta-feira, dois ataques visaram posições do exército do Mali, no centro do país, e o exército ripostou matando pelo menos 48 atacantes, disse o porta-voz do exército, coronel Souleymane Dembele

28 julho 2022 17:52

Pelo menos três civis e 15 soldados foram mortos em ataques separados no centro do Mali, informou esta quinta-feira o exército, que ripostou, matando pelo menos 48 atacantes, numa altura em que aumenta a insegurança neste país da África Ocidental.

Na quarta-feira, dois ataques visaram posições do exército do Mali, no centro do país, e o exército ripostou matando pelo menos 48 atacantes, disse o porta-voz do exército, coronel Souleymane Dembele.

"As Forças Armadas do Mali repeliram ataques terroristas que visavam posições em Sévaré, Sokolo e Kalumba, no início desta quarta-feira", disse o militar através de um comunicado. Registaram-se "seis mortos em Sokolo" e "12 mortos, incluindo três civis, em Kalumba, na região de Nara".

Nenhum grupo reivindicou a responsabilidade pelos ataques, mas ostentam a marca de grupos fundamentalistas islâmicos ligados à Al-Qaida, que estão presentes nessas áreas e cujo líder local, Amadou Koufa, enviou há algumas semanas uma mensagem instando os seus combatentes a intensificarem os ataques contra o exército maliano.

Os ataques no centro do Mali surgem dias após o ataque à maior base militar do Mali, Kati, a apenas 15 quilómetros fora da capital, Bamako, em que pelo menos uma pessoa foi morta.

Desde um golpe em 2020, em que o Presidente democraticamente eleito Ibrahim Boubacar Keita foi derrubado, o Mali tem sido governado por uma junta militar, liderada pelo coronel Assimi Goita, que ele próprio nomeou presidente. O regime militar afirmou que irá governar no período de transição até à realização de eleições, em 2024.

Nas últimas semanas, a junta reduziu a presença de tropas estrangeiras que ajudaram na sua luta contra os rebeldes extremistas. O governo retirou o Mali da aliança do G5 Sahel, composta por cinco países vizinhos que trabalham em conjunto para combater a violência jihadista, e pediu a uma força militar francesa e europeia que combatesse os extremistas para deixar o país.

Os ataques têm circulado pela capital, uma vez que os militares franceses, no Mali desde 2013, se estão a retirar. O Mali obteve o apoio do grupo de mercenários russos, o Grupo Wagner.