Internacional

Capitólio: ex-advogado da Casa Branca vai testemunhar sobre ataque

7 julho 2022 8:49

A invasão do Capitólio, a 6 de janeiro de 2021, constituiu para muitos uma tentativa de golpe de Estado

samuel corum/getty images

Há muito que a comissão pressionava Pat Cipollone, que lutou contra os esforços de Trump para reverter o resultado das eleições de 2020, a cooperar e emitiu uma intimação na semana passada, referindo-se ao seu depoimento como crucial

7 julho 2022 8:49

O ex-advogado da Casa Branca Pat Cipollone, que lutou contra os esforços do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump para reverter o resultado das eleições de 2020, concordou quarta-feira em testemunhar no Congresso sobre o ataque ao Capitólio.

O depoimento de Cipollone vai ocorrer na sexta-feira à porta fechada perante a comissão que investiga o ataque de 6 de janeiro de 2021.

A imprensa norte-americana, como o jornal "The New York Times" e a rede de televisão CNN, que citou fontes familiarizadas com a investigação, destacou que o ex-advogado vai testemunhar numa sessão que será gravada em vídeo e transcrita.

Vai ser a segunda vez que Cipollone se sentará diante da comissão após um primeiro testemunho também à porta fechada em 13 de abril. Segundo a CNN, o ex-advogado havia resistido em prestar declarações desde aquela altura.

Há muito que a comissão pressionava o ex-advogado da Casa Branca a cooperar e emitiu uma intimação na semana passada, referindo-se ao seu depoimento como crucial.

O "New York Times" lembro que Cipollone testemunhou momentos-chave nos esforços de Trump para invalidar os resultados das eleições de novembro de 2020, na qual o democrata Joe Biden venceu, como discussões sobre a possível apreensão de máquinas de contagem de votos.

Cipollone também esteve presente na Ala Oeste da Casa Branca em janeiro de 2021, quando uma multidão de apoiantes de Trump invadiu o Capitólio durante uma sessão para endossar a vitória eleitoral de Biden.

A pressão da comissão para que o ex-advogado se sente para testemunhar intensificou-se após o testemunho na última semana, numa audiência pública, de Cassidy Hutchinson, antiga assessora do ex-chefe de gabinete de Trump, Mark Meadows, informou o "New York Times".

Hutchinson detalhou as conversas que teve com Cipollone, nas quais o advogado levantou preocupações sobre as ações de Trump e Meadows.