Internacional

Guerrilheiro colombiano Miguel Botanche Santanilla morto na Venezuela

25 maio 2022 22:19

A polícia colombiana confirmou à agência de notícias Efe que o ataque aconteceu de facto na Venezuela, mas não deu mais informações nem confirmou que o líder dissidente estava morto

25 maio 2022 22:19

Miguel Botanche Santanilla, conhecido como "Gentil Duarte" e chefe de uma das principais dissidências do grupo guerrilheiro colombiano FARC, morreu num atentado à bomba no seu acampamento na Venezuela, noticiou esta quarta-feira a imprensa local.

A polícia colombiana confirmou à agência de notícias Efe que o ataque aconteceu de facto na Venezuela, mas não deu mais informações nem confirmou que o líder dissidente estava morto.

"Gentil Duarte”, um dos homens mais procurados da Colômbia, esteve na mesa de negociações dos acordos de paz em Havana, mas foi um dos primeiros líderes a deixar o acordo antes da sua assinatura em 2016, quando fundou a primeira dissidência que tem vindo a crescer e que quer reorganizar as FARC em blocos como antes.

O assassinato teve lugar, revelou o jornal "El Tiempo", após um ataque com explosivos ao acampamento onde estava escondido, no estado venezuelano de Zulia, alegadamente perpetrado pelos guerrilheiros do ELN, Exército de Libertação Nacional, outra guerrilha colombiana.

É também possível que "Gentil Duarte" tenha sido morto pelos seus próprios homens ao atravessar a fronteira, segundo os meios de comunicação locais, embora ainda não haja uma confirmação oficial do governo colombiano.

Miguel Botanche Santanilla, 58 anos, juntou-se às FARC quando tinha 14 anos e durante os mais de 40 anos que militou chegou a ser um dos seus comandantes mais importantes.

Em julho do ano passado deslocou-se, de acordo com informações dos media, para a fronteira venezuelana, onde desde então se tem escondido numa zona onde este grupo está em conflito com os guerrilheiros do ELN e também com outros dissidentes, agrupados na chamada "Segunda Marquetalia".

Tanto a "Segunda Marquetalia" como o grupo liderado por "Gentil Duarte" foram incluídos em novembro passado na lista negra de grupos terroristas dos Estados Unidos, depois de as FARC terem sido retiradas dessa lista.

A alegada morte de "Gentil Duarte" acontece um ano após o Governo colombiano ter afirmado ter informações sobre a morte de "Jesús Santrich", um dos líderes dos dissidentes das FARC, num confronto na Venezuela.

Também foram mortos na Venezuela Henry Castellanos e Hernán Darío Vevásquez, considerados os dois líderes mais sanguinários dos antigos guerrilheiros das FARC – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, de inspiração comunista e consideradas organização terrorista por muitos países.

Em 2016 as FARC assinaram um acordo de cessar-fogo com o Presidente da Colômbia, em Cuba, e anunciaram mais tarde o fim da luta armada.