Internacional

Varíola dos macacos detetada em 12 países. Suíça e Israel são os casos mais recentes

22 maio 2022 16:36

skaman306/getty images

OMS confirma 80 casos em vários continentes e avisa sobre risco de aumento de contágios. Em Espanha, a braços com um surto na zona de Madrid, o Ministério da Saúde e as comunidades autonómicas estabeleceram regras sanitárias que incluem o isolamento de infetados, restrições sociais para os contactos próximos e uso de máscara para prevenir contágios

22 maio 2022 16:36

Israel e Suíça somam-se aos países com casos de varíola dos macaco. Em Espanha, o aumento de contágios, levou as autoridades a aprovarem um protocolo que tem de ser adotado pelas pessoas contagiadas, e pelos seus contactos próximos.

Nos Estados Unidos, as autoridades de Nova Iorque anunciaram que um residente da cidade testou positivo para o vírus Monkeypox, estando isolado em casa e a aguardar uma segunda confirmação pelo Centro de Controlo de Doenças.

Este caso em Nova Iorque surge depois de as autoridades sanitárias de Massachusetts terem confirmado o seu primeiro caso de varíola dos macacos no dia 18 de maio. Este domingo, o Presidente Joe Biden falou pela primeira vez no assunto, à margem da sua digressão pela Ásia, declarando que o impacto da propagação da varíola pode ser "substancial".

Biden disse que ainda não foi totalmente informado pelas autoridades de saúde norte-americanas do "nível de exposição" dos Estados Unidos a este vírus, mas considerou que “é algo com que todos devem estar preocupados", porque “se se espalhasse, seria substancial” o impacto.

Primeiro caso em Israel em viajante vindo da Europa

As autoridades israelitas revelaram ter detetado o primeiro caso de varíola num homem que regressou de um país da Europa Ocidental e disseram que estão a investigar outros casos suspeitos.O Ministério da Saúde de Israel disse que o homem foi internado sábado num hospital de Telavive com sintomas leves, e apelou a qualquer pessoa que regresse do estrangeiro com febre e lesões cutâneas para procurar ser vista por médico.

Também a Suíça reportou o primeiro caso de varíola detetado no país num ser humano e adiantou que a pessoa infetada é seguida em ambulatório e está isolada em casa.

Esta pessoa vive no cantão de Berna, mas foi exposta ao vírus no exterior, anunciou a Direção de Saúde do Cantão de Berna, detalhando que as suspeitas surgiram na sexta-feira e as análises laboratoriais confirmaram a suspeita no sábado à tarde.

Foi realizado um rastreio de contacto, para identificar possíveis cadeias de transmissão, e todos os contactos foram informados, referiram as autoridades cantonais em comunicado.

Em Espanha, o Ministério da Saúde e as comunidades acordaram sábado o protocolo a seguir para os infetados com o vírus da varíola dos macacos (Monkeypox), que prevê o uso da máscara, o isolamento para os infetados e que os seus contactos reduzam ao máximo as interações sociais, enquanto os casos suspeitos aumentam, a maioria na Comunidade de Madrid.

Em Espanha já houve pelo menos 30 casos confirmados por teste PCR, todos na Comunidade de Madrid e ligados a uma sauna na cidade que foi entretanto encerrada, enquanto suspeitas de casos estão a crescer em todo o país, com foco na capital, Madrid, onde passaram de 15 para 39 os casos suspeitos.

Além da Comunidade de Madrid, seis outras regiões espanholas monitorizam possíveis casos.

OMS confirmou 80 casos

A Organização Mundial de Saúde confirmou cerca de 80 casos em todo o mundo e cerca de 50 casos suspeitos de contágio pelo vírus Monkeypox.

A doença foi detetada nos últimos dez dias em pelo menos 12 países, incluindo Portugal (23 casos segundo a Direção-Geral da Saúde), Espanha, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Suécia e agora Israel e Suíça.

A varíola é uma doença rara cujo agente patogénico pode ser transmitido de animais para humanos e vice-versa.

Os seus sintomas assemelham-se, de forma menos severa, aos observados no passado em indivíduos com varíola: febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, durante os primeiros cinco dias. Em seguida, erupções cutâneas, lesões, pústulas e finalmente crostas.

Não há tratamento para a varíola, que geralmente cura espontaneamente e cujos sintomas duram de 14 a 21 dias.