Internacional

Sobe para 35 o número de mortes na explosão do hotel Saratoga em Havana

9 maio 2022 18:31

yander zamora/epa/lusa

O chefe do departamento de bombeiros do país, Luis Guzmán, disse à televisão estatal que outros três corpos foram retirados durante a noite, com o Ministério da Saúde Pública cubano a indicar mais tarde que o número total de vítimas mortais subiu para 35 e outras 20 pessoas estão hospitalizadas

9 maio 2022 18:31

A explosão no hotel Saratoga em Havana matou pelo menos 35 pessoas, depois de terem sido encontrados nos escombros restos mortais de outras pessoas durante as últimas horas, indicaram esta segunda-feira os meios oficiais da ilha.

O chefe do departamento de bombeiros do país, Luis Guzmán, disse à televisão estatal que outros três corpos foram retirados durante a noite, com o Ministério da Saúde Pública cubano (Minsap) a indicar mais tarde que o número total de vítimas mortais subiu para 35 e outras 20 pessoas estão hospitalizadas.

Os corpos sem vida recentemente resgatados das ruínas do hotel – que, segundo o governo, explodiu após uma fuga de gás – pertencem a trabalhadores da instalação, segundo Javier Martínez Díaz, membro do gabinete do Partido Comunista de Cuba na província de Havana, citado pelo portal oficial Cubadebate.

De acordo com os familiares dos desaparecidos, estima-se que entre 12 a 13 pessoas estejam ainda presas debaixo dos escombros, um número que se vai tornando mais claro à medida que a escavação avança, explicou o funcionário.

Os bombeiros e socorristas continuam a trabalhar ininterruptamente para limpar os escombros e chegar à dupla cave do edifício, na qual acreditam que cerca de uma dúzia de pessoas estão presas.

O colapso dos andares do rés-do-chão e do primeiro andar do hotel acima da cave dificultam a tarefa e a maquinaria pesada tem enfrentado muitas complicações durante as operações, devido ao risco de atingir a estrutura instável do edifício.

Após 72 horas desde o acidente, as esperanças de encontrar sobreviventes diminuem.

As autoridades cubanas garantiram que não vão parar o trabalho até que seja certo que não há mais pessoas debaixo do edifício.

O governo cubano tem reiterado em diversas ocasiões, desde a explosão que aconteceu na sexta-feira de manhã, que se tratou de uma fuga de gás e uma comissão está a investigar o incidente.

No momento da explosão, um camião cisterna de gás liquefeito estava estacionado em frente ao hotel e a recarregar um depósito do estabelecimento, havendo a hipótese de que a mangueira possa ter rompido.

Outros 17 edifícios adjacentes foram atingidos pela onda de choque da explosão e nos próximos dias vai ser feita uma avaliação técnica em três quarteirões e no próprio hotel, para analisar se podem ser recuperados ou devem ser demolidos.

O Saratoga foi construído em 1880 e desde 1911 funcionava como hotel.

A sua última restauração aconteceu em 2005, quando o edifício foi amplamente remodelado, adquirindo a categoria de cinco estrelas e classificado entre os mais luxuosos da capital cubana.