Internacional

Confrontos entre a polícia israelita e palestinianos na Esplanada das Mesquitas

5 maio 2022 13:04

Polícia bloqueia as entradas na Esplanada das Mesquitas, em Israel

atef safadi/epa

A polícia de Israel referiu, em comunicado, ter "repelido os ataques de manifestantes" que lançaram pedras, provocando ferimentos ligeiros a um agente

5 maio 2022 13:04

Novos confrontos opuseram hoje palestinianos e polícias israelitas na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Oriental, disseram à agência France-Presse testemunhas e fontes policiais.

A polícia de Israel referiu, em comunicado, ter "repelido os ataques de manifestantes" que lançaram pedras, provocando ferimentos ligeiros a um agente.

Segundo um repórter fotográfico da France-Presse no local, a polícia reforçou a presença frente à área da Mesquita Al-Aqsa, o terceiro local de culto mais importante do Islão e o mais sagrado para os judeus.

Nas últimas semanas, confrontos entre polícias israelitas e manifestantes palestinianos fizeram mais de 300 feridos, na maior parte palestinianos, na zona de Jerusalém ocupada por Israel desde 1967.

Os confrontos de hoje registam-se no dia em que se assinala o 74º aniversário do estabelecimento do Estado de Israel (1948) - de acordo com o calendário hebraico - sendo que os fiéis judeus voltaram a ir à esplanada após a pausa que coincidiu com o final do mês de jejum do Ramadão muçulmano.

No contexto de um ‘statu quo’ tácito, os cidadãos que não são muçulmanos podem deslocar-se ao local sem praticar qualquer tipo de culto religioso.

No entanto, o crescente número de judeus que visitam o local junto ao Muro das Lamentações e o facto de alguns rezarem suscita receios entre os muçulmanos de que esse ‘statu quo’ venha a ser posto em causa.

Na semana passada, o líder do movimento islâmico palestiniano Hamas, que controla a Faixa de Gaza, Yahya Sinouar, ameaçou Israel com o lançamento de foguetes de artilharia caso se verifique um "novo ataque" à mesquita de Al-Aqsa.

A presença das forças de segurança de Israel na Esplanada das Mesquitas no passado mês de abril provocou uma onda de indignação entre os palestinos.