Internacional

Recluso e guarda prisional desaparecidos no Alabama tinham “relação especial”

4 maio 2022 13:38

O recluso Casey White

lauderdale county sheriff's office

A guarda terá ajudado na fuga do recluso, que conhecia há dois anos e a quem dava um tratamento privilegiado, como alimentação extra, segundo apontam outros prisioneiros

4 maio 2022 13:38

O recluso e a guarda prisional que desapareceram na sexta-feira de uma prisão no Alabama, nos Estados Unidos, tinham uma “relação especial”, apurou a investigação.

Foram os reclusos do Centro de Detenção do Condado de Lauderdale que informaram os investigadores de que “havia uma relação especial” entre Casey White, de 38 anos e acusado de homicídio, e Vicky White, a guarda com 56 anos que o terá ajudado na fuga.

“Essa relação foi agora confirmada através da nossa investigação com fontes e meios independentes”, indicou Rick Singleton, xerife do condado de Lauderdale, em conferência de imprensa. Embora tenham o mesmo apelido, não há ligação familiar entre os dois.

Os responsáveis acreditam que o recluso e a guarda conhecem-se pelo menos desde 2020, quando Casey foi levado para o condado de Lauderdale. “Tanto quanto sabemos, esse foi o primeiro contacto físico que tiveram”, afirmou Singleton. Alguns reclusos dizem que Casey recebia tratamento privilegiado, como alimentação extra, por causa de Vicky.

Na manhã de sexta-feira, Vicky informou que iria levar Casey ao tribunal para realizar uma avaliação de saúde mental. Depois iria deslocar-se porque precisava de cuidados médicos, por não se estar a sentir bem. No entanto, nenhuma das situações aconteceu: os dois saíram num carro até ao parque de estacionamento de um centro comercial. O veículo foi abandonado e ambos não são vistos desde então.

A guarda trabalhava há mais de 20 anos no estabelecimento prisional e era considerada uma “funcionária exemplar”. “Eu teria confiado a minha vida a Vicky. Estou a falar a sério”, disse o procurador distrital de Lauderdale, Chris Connolly. “Se precisássemos de algo da prisão, ela era a nossa pessoa, uma funcionária sólida. É por isso que é tão chocante”, apontou.

Sabe-se também que o dia do desaparecimento era o último dia de trabalho da guarda, depois de ter vendido a sua casa há cerca de um mês e ter falado em mudar-se para junto da praia. É viúva e não tem filhos. A mãe, com quem vivia desde a venda da habitação, já garantiu nunca ter ouvido falar do recluso em causa.

O xerife do condado de Lauderdale referiu ainda que Vicky estará a usar dinheiro e que desligou o telemóvel. O United States Marshals Service está a oferecer uma recompensa de até dez mil dólares por informações que levem à recaptura dos dois fugitivos. Os serviços secretos dos Estados Unidos estão a colaborar na investigação.