Internacional

Autoridades procuram recluso e guarda prisional desaparecidos no Alabama

3 maio 2022 15:03

Imagem mais recente do recluso Casey White

lauderdale county sheriff's office

Descrita como “funcionária exemplar”, era o último dia de trabalho da guarda prisional que terá ajudado na fuga. Têm o mesmo apelido, mas não era conhecida nenhuma relação entre os dois

3 maio 2022 15:03

Um recluso e uma guarda prisional estão a ser procurados desde sexta-feira depois de terem desaparecido de uma prisão no Alabama, nos Estados Unidos. O prisioneiro, com acusações de homicídio, terá sido ajudado pela guarda na fuga.

O recluso Casey White e a guarda prisional Vicky White foram vistos pela última vez na manhã de sexta-feira, no gabinete do xerife do condado de Lauderdale, no estado do Alabama. Apesar de terem o mesmo apelido, não é conhecida nenhuma relação entre os dois.

A guarda indicou que ia levar o recluso ao tribunal para realizar uma avaliação de saúde mental. Depois, disse que iria deslocar-se porque precisava de cuidados médicos por não se estar a sentir bem.

Horas mais tarde, os responsáveis da prisão perceberam que o recluso não tinha regressado e que não conseguiam contactar a guarda. Não estava agendada nenhuma avaliação ou audiência judicial de Casey e Vicky também não chegou ao local onde iria receber cuidados médicos.

Através de imagens em vídeo, as autoridades descobriram que o veículo em que os dois se deslocaram foi diretamente da prisão para o parque de estacionamento de um centro comercial, onde foi abandonado. Não foram vistos desde então.

A polícia emitiu um mandado de captura de Vicky porque acredita que esta ajudou na fuga que estava planeada, embora as circunstâncias exatas permaneçam pouco claras. “Se ela o fez voluntariamente ou foi coagida de alguma forma, não temos a certeza”, disse Rick Singleton, xerife do condado de Lauderdale, em conferência de imprensa.

As autoridades estão a analisar imagens de vídeo e chamadas telefónicas para determinar se havia alguma ligação entre os dois antes de a fuga ter ocorrido. “Quanto a uma relação romântica ou algo do género, não temos indícios ou provas de que tenha sido esse o caso, embora seja uma possibilidade”, apontou o responsável.

Singleton considerou Casey “extremamente perigoso” porque pode ter a arma de Vicky e aconselhou os agentes policiais a “não correr riscos”. “Ele não tem nada a perder”, salientou.

O recluso tem 38 anos e foi acusado de dois homicídios por esfaqueamento e de outros crimes, como assaltos, roubo de veículos e perseguição policial. Já tinha planeado fugir da prisão, mas foi descoberto antes de o tentar fazer, em 2020.

Último dia de trabalho de uma “funcionária exemplar”

Além do apelido em comum, há mais dados curiosos nesta história. Há cerca de um mês, Vicky vendeu a sua casa e falou em “ir para a praia”, de acordo com Singleton. É viúva e não tem filhos. O dia do desaparecimento era o seu último dia de trabalho.

Com 56 anos, a guarda prisional trabalhava naquele departamento há cerca de 25. Ao desempenhar as funções de diretora adjunta no departamento de execução de penas, participava na organização do transporte de reclusos para o tribunal.

Por isso, sabia que levar sozinha aquele prisioneiro até ao tribunal era uma violação das regras, uma vez que quando estão em causa reclusos com acusações tão graves, há pelo menos dois funcionários a acompanhá-los, explicou Singleton.

Vicky era uma “funcionária exemplar”, tendo sido eleita funcionária do ano por diversas vezes. “Esta não é a Vicky White que conhecemos, nem qualquer coisa que se pareça”, destacou. “Todos os seus colegas de trabalho, todos os funcionários do gabinete do xerife, os juízes, todos têm o maior respeito por ela”, assegurou Singleton.

Numa entrevista televisiva na segunda-feira, a mãe da guarda prisional, Pat Davis, apelou à filha que voltasse para casa. Vicky vivia com a mãe há cinco semanas devido à venda da sua casa. Pat disse que não conhecia Casey. “Nunca ouvi falar dele, nunca vi uma fotografia, nada. Eu não sabia nada sobre ele”, garantiu.

O United States Marshals Service oferece uma recompensa de até dez mil dólares por informações que levem à recaptura de Casey e à localização de Vicky.