Internacional

Colômbia reforça segurança após ataque terrorista que matou duas crianças em Bogotá

30 março 2022 8:15

Guerrilheiros das FARC fotografados em janeiro de 2018

foto kaveh kazemi/getty images

Decisão inclui a mobilização de 120 novos agentes dos serviços secretos, anunciou o Presidente do país. Objetivo é travar atividade terrorista das FARC

30 março 2022 8:15

O Presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciou esta terça-feira novas medidas de segurança para Bogotá, que incluem a mobilização de 120 novos agentes dos serviços secretos, após o ataque terrorista de dissidentes das FARC onde morreram duas crianças.

“A Colômbia está unida contra o terrorismo”, assegurou o chefe de Estado após uma homenagem pela morte de uma menina de 5 anos e de um menino de 12 anos, num ataque organizado pelos dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

"Como resultado destes atos covardes e desprezíveis, temos 120 homens da polícia com capacidade de inteligência e investigação criminal para que possamos encontrar os responsáveis e avançar para o seu rápido julgamento", acrescentou Iván Duque.

Entre as ações para reforçar a segurança na Colômbia está a criação de um comité conjunto de combate às ameaças terroristas, que terá reuniões periódicas na cidade de Bogotá para avaliar semanalmente os golpes às estruturas criminosas, explicou.

Será ainda criada uma equipa especial da unidade de análise financeira para monitorizar os movimentos de dinheiro que podem permitir realizar os ataques. “Uma hipótese que tem sido investigada [sobre este ataque] é um modelo de subcontratação criminosa”, apontou.

Iván Duque revelou também que será atualizada a lista dos mais procurados por terrorismo e homicídio, bem como a recompensa para apanhar "John Mechas", chefe da 33.ª frente dos dissidentes das FARC. “Vamos perseguir este bandido onde quer que ele esteja. O terrorismo deve ser combatido e a 33.ª frente será desmantelada”, garantiu.

A 33.ª frente de dissidente das FARC, que atua em Catatumbo, na fronteira com a Venezuela, reivindicou a autoria do ataque no último sábado no sul de Bogotá, onde morreram duas crianças. O atentado bombista junto a uma esquadra de polícia resultou ainda em 35 feridos.