Internacional

Falta de debate em França pode levar a “abstenção elevada" nas presidenciais, diz analista

27 março 2022 10:03

Emmanuel Macron Foto Getty Images

A ausência de Emmanuel Macron dos debates e a atenção mediática consagrada à guerra na Ucrânia podem afastar os franceses das urnas na primeira volta das presidenciais a 10 de abril, quase 30% diz que não pensa votar

27 março 2022 10:03

"A falta de debate pode levar ao desinteresse dos franceses e a uma abstenção muito elevada", afirmou Vincent Martigny, professor de Ciência Política na Universidade de Nice e na Escola Politécnica, em declarações à agência Lusa.

A campanha eleitoral começa oficialmente em França na segunda-feira e o politólogo declarou-se preocupado por considerar que, sem um debate que prenda a atenção dos eleitores, os franceses poderão ser "privados de uma deliberação verdadeiramente democrática". Também receia que o Presidente e candidato Emmanuel Macron "se esconda atrás do passado" para não discutir o seu futuro programa com os restantes candidatos.

"Acho que ele (Macron) deveria correr mais riscos. [...] Se não conseguir apaziguar a situação social através de um debate coletivo, ou seja, apresentar o seu projeto à sociedade francesa e ouvir o contraditório, é possível que a sociedade se exprima de outra maneira, por exemplo, através de movimento sociais", indicou o investigador.

Numa sondagem do instituto BVA para rádio RTL publicada esta semana, 29% dos franceses dizem que não pensam votar nestas eleições, um número que ultrapassaria o recorde de 2002 na primeira volta da eleição que se elevou a 27,63%.

Para Vincent Martigny, estas eleições acontecem num momento "fora do comum" devido às circunstâncias internacionais, mas a eleição em si "é previsível", com Emmanuel Macron a liderar todas as sondagens.

"As circunstâncias fazem com que, a priori, seja possível que os franceses decidam perante as circunstâncias reeleger o líder que já está no poder. Mesmo se o país não está diretamente em perigo, está indiretamente ligado a este conflito", disse.

Mesmo com Marine Le Pen, na extrema-direita, a posicionar-se no segundo lugar e Jean-Luc Melenchon, na extrema-esquerda, no terceiro lugar na preferência dos franceses, as famílias políticas tradicionais em França à esquerda e à direita têm tido dificuldades em encontrar uma alternativa a Emmanuel Macron.

"Em cinco anos, nenhuma família política francesa conseguiu encontrar uma alternativa a Emmanuel Macron, que se situa no espaço central, onde está a maioria do eleitorado francês. As alternativas que surgiram foram radicais, muito marcadas politicamente, num país que se situa ao centro. É um paradoxo", indicou Vincent Martigny, explicando que o funcionamento da V República em França deixa pouco espaço para a oposição.

Por outro lado, a campanha eleitoral, que ganhou mais energia a partir de janeiro, não tem estado no primeiro plano mediático, o que prejudica os candidatos, com exceção do Presidente. O fim das medidas mais restritivas de combate à covid-19 em França coincidiu com o início da guerra na Ucrânia, em relação à qual Emmanuel Macron tem sido muito ativo.

Em 2019, Vincent Martigny escreveu o livro "Le retour du prince (O regresso do príncipe)", onde apontava a crescente tendência para a personalização da política em figuras carismáticas como Barack Obama, Emmanuel Macron, Donald Trump ou Jair Bolsonaro.

Sobre o fenómeno que divide a extrema-direita em França, o ex-jornalista e comentador político Eric Zémmour que não hesita em lançar frases misóginas ou racistas incendiárias e tem descido nas sondagens, Martigny previu que este candidato "vai falhar" por um erro de cálculo.

"Parece-me que Eric Zémmour vai falhar, mas não penso que seja devido à sua ideologia. Penso que não foi a admiração por Vladimir Putin que foi o ponto fraco de Zémmour, porque ele ainda aparece num lugar confortável nas sondagens. Penso que foi uma questão de estratégia, ele queria fazer como Donald Trump, pensando que a radicalização se poderia apoiar na raiva do povo francês, mas foi uma má estimativa da situação porque a França não é os Estados Unidos", declarou.

No entanto, o politólogo alerta para a radicalização do discurso deste campo político nos próximos anos.

"Zémmour exagerou o seu nível de radicalismo. Mas será que algum dia ele pensou que poderia ganhar? Será que o seu objetivo não era alargar a janela do discurso de ódio que pode haver em França e que permitirá, no futuro, uma verdadeira recomposição da direita?", questionou o politólogo.

As eleições presidenciais francesas contam com 12 candidatos e a primeira volta vai decorrer a 10 de abril, com a segunda volta marcada para 24 de abril. Apesar de os candidatos estarem na estrada há muitos meses, a campanha eleitoral começa oficialmente em França a 28 de março.