Internacional

Polícia canadiana começou a ‘desmantelar’ o “Comboio da Liberdade”

18 fevereiro 2022 18:48

Centenas de camiões e muita neve tornaram Otava, a capital canadiana, praticamente intransitável FOTO: Scott Olson / Getty Images

O protesto dura há três semanas, mas pode ter o fim à vista. A polícia canadiana começou a fazer detenções e a rebocar camiões que paralisaram Otava. Manifestantes estão a defender-se… com crianças

18 fevereiro 2022 18:48

A polícia de Otava começou a rebocar camiões e a prender manifestantes numa operação que pode demorar dias e que visa pôr fim a um protesto que já leva três semanas e que bloqueou a capital do Canadá.

Segundo o jornal “Toronto Star”, as detenções começaram esta quinta-feira e uma das pessoas presas foi Tamara Lich, co-organizadora do chamado “Comboio da Liberdade”, formado por centenas de camiões imobilizados, em protesto contra a exigência do certificado de vacinação para a covid-19.

Segundo a agência Reuters, as detenções efetuadas não implicaram o recurso à força. “Alguns manifestantes estão a render-se e a ser detidos. Apelamos aos manifestantes que permaneçam de forma pacífica e ordeira”, apelou a Polícia de Otava, esta sexta-feira, no Twitter. 

Pouco depois, na sequência do desenvolvimento da operação, a mesma força escreveu na mesma rede social: “Os manifestantes colocaram crianças entre as operações policiais e o local do protesto ilegal. As crianças serão levadas para um local seguro”.

Na tarde desta sexta-feira (fim da manhã no Canadá), o jornal “Toronto Star” descrevia uma situação tensa. “Agentes da RCMP [Real Polícia Montada do Canadá] fortemente armados em veículos blindados parecem estar a movimentar-se perto do Rideau Center, em Otava, seguidos por uma longa fila de veículos SUV da polícia. Um grande número de polícias reuniu-se na rua. Um punhado de pessoas de braços dados na frente do bloqueio e a cantar ‘Oh Canada’, na Wellington Street, ficaram frente a frente com uma ‘parede’ de polícias de coletes amarelos brilhantes.”

Frente a frente tenso entre manifestantes (de costas) e agentes da polícia, em Otava FOTO: Ed Jones / AFP / Getty Images

Frente a frente tenso entre manifestantes (de costas) e agentes da polícia, em Otava FOTO: Ed Jones / AFP / Getty Images

O bloqueio provocado pelos camionistas, iniciado a 28 de janeiro, congestionou a capital canadiana, levando a polícia a isolar o cento da cidade e a instalar mais de 100 postos de controlo (checkpoints) para impedir que mais manifestantes se juntassem ao protesto, concentrado junto ao Parlamento.

A situação levou o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, a decretar o estado de emergência, na passada segunda-feira. Inicialmente convocado para contestar restrições justificadas com o combate à pandemia, o protesto tornou-se também anti-Governo e anti-Trudeau.