Internacional

“Portugueses carregam malas com dinheiro.” Navalny acusa Portugal de aceitar subornos pela naturalização de Abramovich

26 dezembro 2021 16:09

peter macdiarmid/getty images

Opositor político de Moscovo escreveu no Twitter que Roman Abramovich encontrou finalmente um país onde pode pagar alguns subornos e fazer alguns pagamentos semioficiais e oficiais para acabar na União Europeia e na NATO

26 dezembro 2021 16:09

Alexei Navalny acusa Portugal de receber subornos para tornar Roman Abramovich cidadão português. O oligarca russo dono do Chelsea naturalizou-se ao abrigo da Lei da Nacionalidade como judeu sefardita, em abril último.

A revelação crítica do opositor político de Vladimir Puin, que se encontra a cumprir pena de prisão de dois anos e meio a leste de Moscovo, foi feita no Twitter em meados de dezembro. Alexei Navalny não poupa acusações a Portugal por ter concedido a naturalização ao compatriota, sustentando que Abramovich viu as suas ascendências sefarditas serem comprovadas pela Comissão de Certificação do Sefardismo da comunidade judaica portuguesa, “da qual tem sido parceiro nos últimos anos”.

De acordo com o Público, essa certificação foi essencial para o processo, que deu entrada na Conservatória dos Registos Centrais, em Lisboa, e no Ministério da Justiça, a 16 de outubro de 2020 e ficou concluído a 30 de abril último.

Segundo Navalny, Abramovich é “o oligarca mais próximo de Putin e uma das suas carteiras”. “Finalmente [Abramovich] conseguiu encontrar um país onde pode pagar alguns subornos e fazer alguns pagamentos semioficiais e oficiais para acabar na União Europeia e na NATO”, escreveu o crítico do Kremlin num post na rede social Twitter.

Navalny salienta ainda que Abramovich comprou um avião Boeing 787 no valor de 350 milhões de dólares como prenda para si próprio de Ano Novo. “Putin e Abramovich roubam ao orçamento [da Rússia] e investem dinheiro no Ocidente”, alega.


“O Ocidente assusta-se com o ataque de Putin à Ucrânia, mas dá cidadania ao seu oligarca de confiança”, critica o opositor russo, que sublinha que os “funcionários portugueses carregam malas com dinheiro”.

Navalny, vítima de envenenamento em agosto de 2020, aponta ainda o dedo aos apresentadores de televisão que elogiam Putin pela sua luta contra a NATO, “num ciclo perfeito de hipocrisia e corrupção”.

“E só o triste cidadão da Rússia, que pagou por tudo isto, permanece na loja e avalia se tem dinheiro suficiente para comprar uma garrafa de vodca e três tangerinas para o Ano Novo”, comentou ainda Navalny, citado pelo Público..