Internacional

Amnistia Internacional acusa polícia do Paquistão de desaparecimentos forçados

22 novembro 2021 10:51

sopa images/getty

As denúncias sobre desaparecimentos forçados começaram a surgir nos anos 1980, sendo que os serviços de informação incrementaram a prática desde 2001 na "guerra contra o terrorismo". Ativistas políticos, estudantes e jornalistas são frequentemente alvo deste tipo de abusos

22 novembro 2021 10:51

A Amnistia Internacional pediu esta segunda-feira às autoridades paquistanesas para que ponham fim ao que considera o "abominável" uso da prática de desaparecimento forçado pelas autoridades, numa altura em que milhares de casos são denunciados.

A organização de direitos humanos com sede em Londres denuncia - através de um relatório - a prática do desaparecimento forçado, levada a cabo com regularidades pelas autoridades paquistanesas, sobretudo pelos serviços de informações, em violação aos direitos dos detidos e com um impacto "devastador" para as famílias.

A Amnistia Internacional (AI) recorda que os desaparecimentos forçados são um "crime face à lei internacional".

Os agentes do Estado paquistanês negam as detenções e recusam-se a fornecer informações às famílias sobre o paradeiro dos detidos.

"Os desaparecimentos forçados são uma prática cruel que causaram marcas a centenas de famílias no Paquistão durante as últimas décadas" disse Rehab Mahamoor, relator da AI para o sul da Ásia.

Após entrevistas a dez familiares de desaparecidos que se encontravam à guarda das autoridades, a AI refere que as pessoas enfrentam problemas de saúde e graves consequências financeiras.

Inaam Abasi, que permaneceu em paradeiro desconhecido durante dez meses após ter sido detido pelas forças de segurança, em agosto de 2017, disse à AI que passou a sofrer de dores crónicas e stress pós-traumático, após ter sido alvo de torturas.

De acordo com o relatório, as denúncias sobre desaparecimentos forçados começaram a surgir nos anos 1980 sendo que os serviços de informações incrementaram a prática desde 2001 no quadro da "guerra contra o terrorismo".

Ativistas políticos, estudantes e jornalistas são frequentemente alvo deste tipo de abusos, disse a AI recordando que existe uma proposta de alteração legislativa para proibir os desaparecimentos forçados, mas que está há mais de dois anos paralisada.

Mesmo assim, de acordo com a AI, as reformas do código penal do Paquistão, sobre o fim da prática não se ajustam às leis internacionais sobre direitos humanos.

A comissão paquistanesa de investigação sobre desaparecimentos revelou em outubro que recebeu 8191 denúncias desde 2011, sendo que 37 registaram-se em outubro e que 2.267 casos continuam por resolver.