Internacional

Assassínio de deputado do Partido Conservador britânico considerado ato terrorista

16 outubro 2021 15:48

john keeble/getty images

David Amess foi esfaqueado em Leigh-on-Sea e, apesar dos esforços dos paramédicos no local, acabou por morrer

16 outubro 2021 15:48

David Amess morreu na sexta-feira na sequência de um ataque com uma faca em Leigh-on-Sea, apesar dos esforços dos paramédicos no local. O incidente aconteceu durante audiências com eleitores, realizadas regularmente por todos deputados britânicos para conhecer problemas que os cidadãos queiram apresentar, sendo abertas a qualquer pessoa.

O jornal inglês "The Guardian" avança que a polícia metropolitana disse que o coordenador nacional sénior para o policiamento anti-terrorista, o vice- comissário adjunto Dean Haydon, tinha declarado formalmente o incidente como terrorismo: “A investigação inicial revelou "uma potencial motivação ligada ao extremismo islamista".

Um homem de 25 anos, que se crê ser um britânico com herança somali, está detido e foi preso por suspeita de homicídio. Fontes disseram ao diário britânico que ele tem as características de alguém que tinha sido remetido para o Prevent, o programa oficial para quem está em risco de radicalização. A policia acredita que o homem agiu sozinho e não está a procurar mais ninguém neste momento.

David Amess, de 69 anos, casado e pai de cinco filhos, representava a circunscrição de Southend West no condado de Essex. Deputado desde 1983, católico, opositor do aborto e defensor dos direitos dos animais, fez também campanha pelo 'Brexit'.

Recorde-se que em 2016 a deputada do Partido Trabalhista, Jo Cox, foi assassinada por um militante de extrema-direita uma semana antes do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia. Estes doiscrimesno espaço de cinco anos levaram alguns deputados a reabrir o debate sobre a segurança dos deputados.

Segundo o "The Guardian", Priti Patel ordenou uma revisão imediata da segurança dos deputados. Disse um seu porta-voz: "A secretária de Estado dos Assuntos Internos pediu a todas as forças policiais que revejam as disposições de segurança dos deputados com efeito imediato e fornecerá atualizações no devido tempo".

Já a Oradora da Câmara dos Comuns, Lindsay Hoyle, alertou que a matança "enviaria ondas de choque através da comunidade parlamentar e de todo o país", acrescentando: "Nos próximos dias, teremos de discutir e examinar a segurança dos deputados e quaisquer medidas a serem tomadas".

Numa breve entrevista televisiva, Boris Johnson disse que estava "profundamente chocado e comovido" com as notícias: "Acima de tudo, ele era uma das pessoas mais amáveis, simpáticas e gentis da política. E tinha também um registo notável de aprovação de leis para ajudar os mais vulneráveis. Hoje perdemos um bom funcionário público, um amigo e colega muito querido, e os nossos pensamentos estão hoje muito presentes com a sua mulher, os seus filhos e a sua família".