Internacional

Afeganistão: novas explosões registadas perto do aeroporto de Cabul. Defesa dos EUA interceta cinco rockets

30 agosto 2021 8:52

wakil kohsar/ getty images

Até agora não há informações oficiais sobre as causas desta explosão, a extensão dos danos ou se houve quaisquer baixas. De acordo com o jornal “The Washigton Post” pelo menos cinco rockets foram intercetados

30 agosto 2021 8:52

Várias explosões ocorreram esta segunda-feira perto do aeroporto em Cabul, dois dias após ataques terem causado a morte a pelo menos seis civis na capital afegã. De acordo com várias testemunhas e meios de comunicação locais, as explosões resultaram do lançamento de foguetes a partir de Khair Khana, perto do aeroporto de Cabul.

Até agora não há informações oficiais sobre as causas da explosão, a extensão dos danos ou se houve quaisquer baixas nestes incidentes. Várias imagens nas redes sociais e canais de televisão locais mostram alguns danos em casas e veículos devido às explosões.

De acordo com o jornal “The Washigton Post” pelo menos cinco rockets foram intercetados por um sistema de defesa de mísseis. Fontes da Casa Branca, citadas pela Reuters, asseguram que para já não há qualquer vítima do lado norte-americano. Também um porta-voz dos talibãs confirma que não se registaram vítimas entre os afegãos.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, foi informado sobre o ataque, sem que tenha sido interrompida a retirada de pessoas, disse a porta-voz da Casa Branca. "O Presidente foi informado de que as operações continuam sem interrupções" e "reiterou ordens aos comandantes para redobrarem esforços no sentido de fazerem o que for necessário para proteger as nossas forças no terreno", acrescentou Jen Psaki.

O acontecimento desta segunda-feira surge depois de a cidade ter sido abalada por outras explosões que provocaram a morte a pelo menos seis pessoas: uma causada por um ataque norte-americano com um drone contra um veículo que transportava membros do Estado islâmico, a outra por um foguete que atingiu uma casa.

Ambos os ataques ocorreram perto do aeroporto de Cabul e acontecem numa altura de tensão crescente, após os EUA terem alertado para "ameaças credíveis" que teriam a infraestrutura como alvo, onde as tropas norte-americanas estão concentradas e onde na quinta-feira se registou um ataque que matou pelo menos 170 pessoas.

As autoridades ainda não esclareceram se os eventos estavam ligados.

No primeiro caso, os EUA deram conta que um drone tinha atingido um veículo no qual seguiam para o aeroporto membros do movimento extremista Estado Islâmico, o grupo terrorista que reivindicou a responsabilidade pelo ataque de quinta-feira.

Numa declaração posterior, referindo-se a informações sobre baixas civis alegadamente resultantes do ataque, disseram que "não ficou claro o que poderá ter acontecido" e que prossegue a investigação.

O segundo ataque de domingo ocorreu quando um foguete disparado de um local desconhecido atingiu uma casa numa área residencial, também perto do aeroporto de Cabul, causando pelo menos seis mortos, vários dos quais crianças, sem que ninguém tivesse reivindicado o ataque.

Continuar a sair do Afeganistão depois de 31 de agosto

França quer que as Nações Unidas criem uma “zona de segurança” em Cabul para facilitar a partida de afegãos após o dia 31 de agosto. A proposta vai ser apresentada esta segunda-feira na reunião do Conselho de Segurança da ONU, revelou o presidente Emmanuel Macron ao “Le Journal du Dimanche”

O objetivo é garantir uma forma segura de sair do país para aqueles que não querem continuar no Afeganistão governado pelos talibãs. A proposta “vai permitir que as operações humanitárias continuem”, refere o presidente francês. “Isto é muito importante. Vai permitir criar um quadro legislativo para que as Nações Unidas atuem em situação de emergência”, o que considera que servirá para manter a pressão junto dos talibãs.

Em comunicado conjunto, publicado pelos EUA e assinado por vários países, incluindo Portugal, os vários governos dizem ter recebido garantias por parte dos talibãs de que “todos os cidadãos estrangeiros e qualquer afegão com autorização para viajar para os nossos países vão ter permissão de proceder de forma segura e ordenada para a saída do país”.

“Estamos todos comprometidos em assegurar que os nossos cidadãos, nacionais e residentes, empregados e afegãos que trabalharam connosco e todos aqueles que se encontrem em risco podem continuar a viajar livremente para destinos fora do Afeganistão”, pode ler-se no comunicado. “Temos uma clara expectativa no compromisso feito pelos talibãs.”