Internacional

Afeganistão. Pelo menos três mortos e 12 feridos em protesto contra os talibãs

18 agosto 2021 14:44

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Membros dos talibãs fazem patrulhas nas ruas da cidade de Jalalabad, que foi palco de protestos esta quarta-feira.

anadolu agency/getty images

Multidão protestava contra a substituição da bandeira afegã pela bandeira talibã, na cidade de Jalalabad, no leste do Afeganistão. Os protestos estenderam-se entretanto a outras províncias do país, com civis "indignados" pela mesma razão

18 agosto 2021 14:44

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Pelo menos três pessoas morreram e 12 ficaram feridas após os talibãs terem dispersado violentamente um protesto em Jalalabad, no leste do Afeganistão, segundo uma notícia avançada pela agência Reuters.

Durante o protesto na cidade afegã, a cerca de 150 quilómetros a leste de Cabul, capital do país, foi hasteada a bandeira nacional, um dia antes do Dia da Independência do Afeganistão, que comemora o fim do domínio britânico em 1919.

Os manifestantes retiraram a bandeira dos talibãs — uma bandeira branca com uma inscrição islâmica — que os militantes islâmicos têm hasteado nas áreas que tem vindo a capturar. Em resposta aos protestos, membros dos talibãs abriram fogo e espancaram as pessoas com bastões.

Um vídeo publicado depois dos protestos mostra os talibãs a disparar para o ar e a atacar as pessoas com bastões para dispersar a multidão.

Também há relatos de jornalistas atingidos durante os protestos. Babrak Amirzada, repórter de uma agência de notícias local, disse que ele e um repórter de imagem de outra agência de notícias foram espancados pelos talibãs enquanto tentavam cobrir os distúrbios.

Protestos estendem-se a outras províncias

De acordo com a "Al-Jazeera", os protestos contra os talibã estenderam-se entretanto a outras províncias. "A população está indignada com o facto de ter sido hasteada a bandeira dos talibãs em substituição da bandeira nacional", afirmou Charlotte Bellis, correspondente deste órgão de comunicação.

De acordo com a repórter, a situação no aeroporto de Cabul — para onde centenas de pessoas se dirigiram na segunda-feira na esperança de apanhar um avião e sair do país —, mantém-se "caótica", com os talibãs a evitar que as pessoas se aproximem das instalações.

Também na província de Khost, no leste do país, terá havido protestos, tendo sido publicadas fotografias onde se veem centenas de pessoas a ocupar as ruas, segundo o "New York Times".

A retirada de afegãos e estrangeiros, que se encontravam no Afeganistão, precipitou-se no domingo, quando as forças talibãs tomaram o poder em Cabul instaurando o Emirado Islâmico.

O avanço das forças talibãs intensificou-se desde maio, quando começou a retirada das forças dos Estados Unidos, negociada em fevereiro de 2020.