Internacional

‘Brexit’: Boris ressuscita May

Não há caminho fácil para Boris Johnson cumprir a promessa de sair da UE a 31 de outubro


phil noble/reuters

Acordo com Bruxelas é possível, mas difícil. Mais complicado ainda será fazê-lo aprovar pelos deputados britânicos

14 setembro 2019 10:26

Pedro Cordeiro

Pedro Cordeiro

Editor da Secção Internacional

O homem que equiparou o acordo de saída firmado entre Theresa May e a União Europeia (UE) a um “cagalhão que não vale a pena polir” pode estar prestes a ressuscitar esse documento para não ter de pedir novo adiamento do ‘Brexit’.

Boris Johnson ajudou duas vezes a chumbar no Parlamento as propostas da antecessora (votou a favor, à terceira, frisando que era “horroroso” e que só o fazia para que o ‘Brexit’ não morresse) mas, quando o primeiro-ministro do Reino Unido se sentar para almoçar com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, segunda-feira no Luxemburgo, poderá levar na manga uma versão (pouco) revista do mal-amado pacto.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)