Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente do Sri Lanka anuncia regresso da pena de morte. Governo abre concurso para carrascos

NurPhoto/Getty

Segundo o Ministério da Justiça, os procedimentos administrativos necessários à execução de pelo menos cinco condenados por crimes relacionados com o tráfico de droga já foram concluídos. Falta o presidente assinar a ordem

Há mais de 40 anos que não se aplica a ninguém a pena de morte no Sri Lanka mas o presidente Maithripala Sirisena anunciou planos, na semana passada, para retomar a prática como parte de um plano mais alargado de combate ao tráfico de droga. A inspiração do governante é Rodrigo Duterte, o presidente das Filipinas que tem permitido no seu país a perseguição e a execução de milhares de pessoas, apenas por suspeitas de envolvimento no negócio da droga, sem julgamento e sem culpa provada. Foi o próprio Sirisena que admitiu admirar os métodos de Duterte, durante a sessão parlamentar em que explicou as novas diretrizes para o combate ao crime.

Como não existem já pessoas treinadas para o efeito, o governo abriu um concurso para encontrar dois homens disponíveis para a tarefa de carrasco. Segundo a agência France Press, o anúncio publicado pelas autoridades prisionais refere que os candidatos devem possuir “grande força mental” e “excelentes carácter e valores morais”.

Não é invulgar os tribunais atribuírem como castigo a pena de morte por crimes como a violação, o homicídio e mesmo o tráfico de droga, mas desde 1976 que todas essas penas têm vindo a ser convertidas em prisão perpétua.

Em 2014, o último carrasco reformou-se e as três pessoas que o substituíram demitiram-se em poucas semanas, por não terem qualquer função a desempenhar, escreve a France Press. Segundo o Ministério da Justiça, os procedimentos administrativos necessários à execução de pelo menos cinco condenados por crimes relacionados com o tráfico de droga já foram concluídos. Falta o presidente assinar a ordem.