Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Senadora Amy Klobuchar avança com candidatura presidencial. Já são cinco mulheres contra Trump

Stephen Maturen/Getty Images

“Não tenho uma máquina política. Não venho do dinheiro. Mas tenho coragem”, disse, apelando aos eleitores para que se juntem à sua campanha “caseira”. A democrata notabilizou-se pela forma aguerrida como enfrentou o agora juiz do Supremo Tribunal Brett Kavanaugh e o procurador-geral nomeado William Barr nas audiências de confirmação

A senadora Amy Klobuchar anunciou este domingo que irá disputar as primárias do Partido Democrata para as eleições de 2020, elevando para cinco o número de mulheres democratas que tencionam defrontar o Presidente dos EUA, Donald Trump.

A antiga procuradora, e atual senadora do Minnesota, disse que concorre por “todos os que querem ver o seu trabalho reconhecido”. “Não tenho uma máquina política. Não venho do dinheiro. Mas o que eu tenho é isto: tenho coragem”, sublinhou, apelando aos eleitores para que se juntem à sua campanha “caseira”.

Klobuchar junta-se a Elizabeth Warren, Kamala Harris, Kirsten Gillibrand e Tulsi Gabbard no desafio a Trump, que deverá recandidatar-se pelo Partido Republicano.

Regresso ao acordo sobre o clima no primeiro dia

No seu anúncio, a senadora prometeu “restabelecer as regras de energia limpa e os padrões de consumo de combustível e adotar legislação abrangente para investir em empregos e infraestruturas verdes” nos seus primeiros 100 dias no cargo, além de garantir que voltará ao acordo internacional sobre o clima logo no primeiro dia. Klobuchar defende ainda leis de armas com senso comum e pretende acabar com as lacunas legais existentes para taxar os ricos.

Apesar de se ter manifestado publicamente contra as políticas de Trump, a senadora distancia-se dos pedidos de alguns democratas para o encerramento da agência americana de imigração e alfândega. Klobuchar também evitou apoiar o projeto de lei de Bernie Sanders (que também deverá candidatar-se), conhecido como “Medicare for All”, preferindo advogar “uma transição sensata” no acesso aos cuidados de saúde.

Os combates contra Kavanaugh e o procurador-geral

Recentemente, a senadora notabilizou-se pela forma aguerrida como enfrentou o agora juiz do Supremo Tribunal dos EUA Brett Kavanaugh e o procurador-geral nomeado William Barr, ambos apontados por Trump, nas audiências de confirmação.

Em outubro do ano passado, Kavanaugh foi confirmado juiz do Supremo após semanas de alegações de conduta sexual imprópria nos anos 1980 e 1990.

Barr esteve debaixo de fogo de Klobuchar por causa de alegações de obstrução à Justiça. O nomeado de Trump para substituir Jeff Sessions tem recusado assumir o compromisso de revelar os resultados da investigação de Robert Mueller na sua totalidade. O procurador especial investiga a alegada intromissão da Rússia nas eleições americanas de 2016 e o possível conluio entre o Kremlin e a campanha de Trump.