Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polícia indonésia usa cobra para aterrorizar um alegado ladrão

Um homem que terá roubado telemóveis foi ameaçado de que lhe metiam o réptil na boca ou nas calças se não confessasse

Luís M. Faria

Jornalista

A polícia indonédia pediu desculpa por ter usado uma cobra para aterrorizar um homem suspeito de roubar telemóveis. Num vídeo que se tornou viral depois de uma advogada o ter partilhado no Twitter, o homem tem as mãos amarradas e um polícia põe-lhe uma cobra com uns dois metros de comprimento à volta do pescoço, ameaçando meter-lha na boca ou dentro das calças se ele não disser quantos telemóveis roubou. O homem grita de medo enquanto pessoas riem à sua volta.

A advogada que divulgou o caso, Veronika Koman, é veterana na defesa dos naturais de Papua, uma província indonésia que faz fronteira com a Papua Nova Guiné e cujos naturais se queixam com frequência de serem vítimas de racismo por parte das autoridades. Em janeiro, segundo Koman, um ativista pró-independência foi detido sob uma falsa acusação de roubo e sujeito a tratamento semelhante.

"Foi espancado, pontapeado, esbofeteado, e a sua cabeça foi empurrada em direção à cobra para o obrigar a admitir que tinha roubado uma motocicleta", disse Koman, acrescentando que outros locais detidos por motivos políticos têm igualmente testemunhado o uso de cobras por parte das forças de segurança.

Pela sua parte, as autoridades, confrontadas com provas visuais inegáveis do abuso mais recente, reconheceram o erro publicamente. Embora notando que o suspeito em momento nenhum foi agredido, dizem que os agentes em causa foram transferidos e receberão treino ético.

"Pedimos desculpa pelo incidente. Institucionalmente, não reconhecemos uma forma de interrogatório tão pouco profissional, e garantimos que um método tão desumano não voltará a acontecer no futuro", disse um porta-voz da polícia.