Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Separados na vida, unidos na doença. Mulher doa rim a ex-marido 23 anos após o divórcio

BSIP/GETTY

Foi um casamento feliz durante mais de duas décadas. Mas as diferenças acabaram por ditar um divórcio amigável. Passados 23 anos, Bill Henrichs necessitou de um transplante de rim e foi a ex-mulher que se ofereceu para ser dadora. “Soube imediatamente o que ia acontecer. Os nossos filhos e netos precisavam de um pai e de um avô na vida deles”, conta Mary Ziegler

Quando trocaram as alianças e prometeram ficar juntos na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias das suas vidas, Mary Ziegler e Bill Henrichs pensavam que ficariam casados para sempre. Mas esses votos foram levados à letra mesmo após o divórcio. Passados 23 anos, Bill Henrichs necessitou de um transplante de rim e foi a ex-mulher que, sem hesitar, se ofereceu para ser dadora.

Amor à primeira vista? Talvez. Foi num autocarro escolar que se conheceram e houve o tal clique. Tinham 14 anos e na mochila muitos sonhos – Mary Ziegler queria ir para a faculdade, enquanto Bill Henrichs tocava baixo e sonhava em tornar-se uma estrela rock. “Lembro-me de que o autocarro ia cheio. Conhecemo-nos aí, tornámo-nos amigos e tudo evoluiu de forma muito natural”, recorda Mary Ziegler, 62 anos.

Começaram a namorar e aos 18 anos oficializaram a união. Em 1974, casaram-se na cidade de St. Cloud, no estado norte-americano do Minnesota, e depressa perceberam que nem sempre a vida permitia concretizar os sonhos. Com despesas para pagar, cada um seguiu percursos profissionais mais burocráticos, mas que garantiam dinheiro no final do mês.

Foi um casamento feliz durante mais de duas décadas. Mas as diferenças acabaram por conduzir a um divórcio amigável. “Os nossos interesses eram diferentes. Mas fomos sempre amigos e a família foi sempre uma parte importante das nossas vidas. Como muitos outros casais, apenas passámos a viver separados”, conta Mary Ziegler ao “Washington Post”.

Doadora sem hesitar

A família continuou a ser uma prioridade para ambos e os reencontros eram habituais entre festas das escolas ou atividades desportivas dos filhos. Entretanto, Bill reencontrou a felicidade e voltou a casar-se.

Mas em fevereiro do ano passado, Bill recebeu uma má notícia: foi diagnosticado com insuficiência renal e o médico dissera-lhe que precisava de um transplante para não fazer hemodiálise e ter qualidade de vida.

Nessa altura, Mary diz que não ajudar o ex-marido nunca foi uma questão para ela. “Soube imediatamente o que ia acontecer. Eu e Bill crescemos juntos e tivémos dois filhos em conjunto. Eu sabia que os nossos filhos e netos precisavam de um pai e de um avô na vida deles”, recorda.

Oito meses depois, Bill deu entrada na Mayo Clinic em Rochester (Minnesota) para ser submetido ao transplante. A equipa médica revelou que a operação não podia ter corrido melhor: a dadora teve alta em três dias, enquanto o doente esteve em observação apenas durante duas semanas.

Bill não tem dúvidas: “Serei eternamente grato à mãe dos meus filhos”. Até a atual mulher agradece à sua antecessora com humor: “Estou agradecida à Mary, porque de facto deu-me o Bill duas vezes – primeiro via divórcio e depois com o transplante de rim. Ele esteve sempre com a família, eu apenas me juntei a ela depois. Aliás, somos uma grande família”, remata Linda.