Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Iémen. Ataque com drones atinge parada militar do Governo e mata várias pessoas

Acordo de cessar-fogo assinado entre o Governo do Iémen e os combatentes houthis previa uma retirada militar da cidade e do porto de Hodeida, por onde passa grande parte das importações e da assistência humanitária ao país

STRINGER/AFP/Getty Images

Segundo o canal de televisão Al Arabiya, controlado pelos sauditas, há registo de cinco mortos. O ataque à base aérea de Al-Anad feriu dezenas de militares, incluindo o chefe do exército iemenita. O líder dos rebeldes houthis, Abdul-Malik Al-Houthi, anunciou em 2017 a estratégia de usar mísseis balísticos e drones nos confrontos com as forças governamentais

Um ataque com drones dos rebeldes houthis atingiu uma parada militar do Governo iemenita na província de Lahij, matando várias pessoas. A informação foi avançada esta quinta-feira pela Al Jazeera, que cita media controlados pelos houthis e a Sky News Arabia.

O ataque à base aérea de Al-Anad feriu dezenas de militares, incluindo o chefe do exército do Iémen. Segundo o canal de televisão Al Arabiya, controlado pelos sauditas, há registo de cinco mortos.

O líder dos rebeldes, Abdul-Malik Al-Houthi, anunciou em 2017 a estratégia de usar mísseis balísticos e drones. O grupo está em guerra com a coligação liderada pela Arábia Saudita e pelos Emirados Árabes Unidos, que iniciou a sua campanha militar no Iémen em 2015, após a invasão da capital, Sanaa, pelos houthis no ano anterior.

Acordo de paz violado minutos depois de entrar em vigor

Os houthis, apoiados pelo Irão, afirmam possuir cinco modelos diferentes de drones. Em dezembro do ano passado, os rebeldes comprometeram-se a suspender os ataques com mísseis e drones na sequência da assinatura de um acordo de paz, patrocinado pelas Nações Unidas.

A trégua foi violada minutos depois de entrar em vigor. Houve relatos de confrontos esporádicos entre os rebeldes houthis e as forças pró-governamentais em Hodeida, que é uma porta de entrada vital para a ajuda humanitária. Os rebeldes terão bombardeado as forças do Governo no leste da cidade portuária.

Hodeida, que fica a 140 quilómetros da capital, era a quarta maior cidade do Iémen e um importante centro económico antes de os rebeldes assumirem o seu controlo no final de 2014. Desde junho do ano passado, a cidade portuária está sob ataque da coligação liderada pelos sauditas.

O porto é considerado uma tábua de salvação para praticamente dois terços da população do país, que depende quase em exclusivo das importações de comida, combustível e medicamentos.