Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cidadão suíço-espanhol preso em Marrocos por envolvimento na morte de duas turistas escandinavas

AFP/Getty Images

O homem foi detido em Marraquexe por alegadamente tentar recrutar marroquinos “para levar a cabo conspirações terroristas”. A dinamarquesa Louisa Vesterager Jespersen, de 24 anos, e a norueguesa Maren Ueland, de 28, foram assassinadas este mês. A polícia revelou que quatro suspeitos dos assassínios tinham jurado lealdade ao Daesh

Um cidadão suíço-espanhol foi preso em Marrocos por envolvimento na morte de duas turistas escandinavas. O homem, que não foi identificado, foi detido em Marraquexe por alegadamente tentar recrutar marroquinos “para levar a cabo conspirações terroristas”, revela um comunicado das autoridades divulgado no sábado.

A dinamarquesa Louisa Vesterager Jespersen, de 24 anos, e a norueguesa Maren Ueland, de 28, foram assassinadas este mês. Os seus corpos foram encontrados na cordilheira Alto Atlas, perto de um ponto turístico no centro de Marrocos.

Segundo o Departamento Central de Investigações Judiciais do país, o cidadão suíço-espanhol segue “uma ideologia extremista”. A polícia revelou que quatro suspeitos dos assassínios tinham jurado lealdade ao Daesh, o autoproclamado Estado Islâmico, ainda que as autoridades acreditem que não houve contacto com grupos na Síria ou no Iraque.

Jespersen e Ueland estudavam na Universidade do Sudeste da Noruega. A 9 de dezembro, chegaram a Marrocos para um mês de férias, tendo viajado para as encostas do Jbel Toubkal, o pico mais alto do Norte de África. Os seus corpos foram encontrados nas respetivas tendas, com marcas de violência nos pescoços.

Centenas de pessoas em todo o país participaram em vigílias pelas duas mulheres. Na capital, Rabat, fez-se um minuto de silêncio em memória das vítimas, com diplomatas dinamarqueses e noruegueses presentes. Na aldeia de Imlil, perto da zona onde os corpos foram encontrados, também se realizou uma vigília com centenas de pessoas.