Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

General norte-americano acredita que Moscovo contribuiu para retirada de tropas dos EUA na Síria

ARNE DEDERT/GETTY

Mark Hertling defende que o momento do anúncio não faz sentido, uma vez que os Estados Unidos acabaram de iniciar uma ofensiva com as forças de defesa sírias e curdas contra a cidade de Hajin, que é considerada um reduto do autoproclamado Estado Islâmico

O general norte-americano Mark Hertling manifestou-se esta quarta-feira surpreendido com a intenção manifestada pelo Presidente dos EUA de retirar as tropas do país da Síria, sublinhando que pode estar em causa a pressão de Moscovo. “Em primeiro lugar, foi uma surpresa para mim não só o anúncio, mas o timing. Não percebo o porquê desta medida agora”, declarou o general norte-americano em entrevista à CNN.

Mark Hertling recordou que os Estados Unidos acabaram de iniciar uma ofensiva com as forças de defesa sírias e curdas contra a cidade síria de Hajin, que é considerada um reduto do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh), razão pela qual não faz sentido o anúncio feito esta terça-feira por Donald Trump no Twitter.

Segundo o general norte-americano, poderá estar em causa um acordo entre o Presidente dos EUA e países estrangeiros, nomeadamente a Rússia. “O que me parece interessante que não foi levantado ainda é que pode haver um elemento transacional a contribuir também para isso”, sustentou.

Nos últimos dias, sublinhou Mark Hertling, “os EUA alcançaram um acordo com a Turquia no valor de 3,5 mil milhões de dólares (cerca de 3,06 mil milhões de euros) em sistemas de mísseis Patriot que foi fechado na terça-feira pelo Departamento do Estado dos EUA. “Tenho a certeza de que isso teve também um pouco de peso nisso”, insistiu.

O Presidente norte-americano escreveu esta terça-feira no Twitter que derrotado o autoproclamado Estado Islâmico na Síria (Daesh), não há razão para manter mais de 2000 soldados americanos em território sírio. “Derrotamos o Daesh na Síria, a minha única razão para estarmos lá durante a Presidência de Trump”, pode ler-se num post de Donald Trump naquela rede social. A retirada das tropas dos EUA na Síria deverá ocorrer em 30 dias, avança a imprensa norte-americana.

A medida poderá ser entendida como uma traição face aos aliados curdos que lutaram com as tropas dos Estados Unidos na Síria.