Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Parlamento iraquiano elege curdo moderado Barham Salih como novo Presidente do país

Barham Salih, à saída do Parlamento depois de tomar posse como Presidente iraquiano

Murtadha Sudani/Anadolu Agency/Getty Images

“Prometo salvaguardar a unidade e a segurança do Iraque”, disse na sua tomada de posse. O Partido Democrático do Curdistão já anunciou que rejeita o voto parlamentar porque, segundo o seu líder, deveria ter havido um único candidato curdo à presidência e o candidato deveria ter vindo do seu partido. O cargo de Presidente é, em grande medida, cerimonial

O Parlamento iraquiano elegeu esta terça-feira o curdo moderado Barham Salih como novo Presidente do país. De acordo com a agência France Presse, Salih, membro da União Patriótica do Curdistão, venceu o seu principal rival, Fuad Hussein, do Partido Democrático do Curdistão, por 219 votos contra 22.

“Prometo salvaguardar a unidade e a segurança do Iraque”, disse Salih na sua tomada de posse. Salih fez parte do Governo provisório criado pelos EUA após a invasão de 2003 que derrubou Saddam Hussein. Depois, tornou-se vice-primeiro-ministro no Governo de Nouri al-Maliki e também foi primeiro-ministro no Governo regional do Curdistão iraquiano.

O Partido Democrático do Curdistão já anunciou que rejeita o voto parlamentar porque, segundo o seu líder, Massoud Barzani, deveria ter havido um único candidato curdo à presidência. E o candidato deveria ter vindo do seu partido por se tratar do maior partido curdo, acrescentou.

Maioria dos curdos votaram pela independência mas Supremo não reconheceu

No ano passado, Barzani organizou um referendo sobre a independência do Curdistão iraquiano. Mais de 90% dos curdos que participaram na votação apoiaram a independência mas o Tribunal Supremo do Iraque considerou o referendo inconstitucional. Na sequência da votação, o Governo iraquiano ocupou território disputado, incluindo a província de Kirkuk, rica em petróleo, e Barzani renunciou ao cargo de presidente regional.

No domingo, os curdos votaram em eleições parlamentares pela primeira vez desde 2013, voltando também pela primeira vez às urnas desde o referendo. As eleições foram marcadas por uma grande apatia entre os eleitores, com uma taxa de participação a rondar os 58% nas principais províncias que formam o Curdistão iraquiano.

O cargo de Presidente do Iraque é, em grande medida, cerimonial. Segundo um acordo de partilha de poder, as principais funções da governação estão repartidas pelos grupos étnicos predominantes no país. Desde 2003, o Presidente tem sido sempre um curdo, enquanto o primeiro-ministro é um muçulmano xiita e o presidente do Parlamento é oriundo do bloco sunita.