Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Senadores norte-americanos querem classificar Venezuela como “patrocinador do terrorismo”

epa

Senadores explicaram que recentes relatórios norte-americanos sobre terrorismo dão conta de alegados vínculos entre o regime do Presidente Nicolás Maduro com organizações terroristas como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) e o Hezbolá

Três senadores norte-americano enviaram esta sexta-feira uma carta ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, pedindo para declarar o Governo venezuelano como "patrocinador do terrorismo". O pedido foi feito pelos senadores republicanos Marco Rubio, John Cornyn e Cory Gardner.

No documento, explicam que recentes relatórios norte-americanos, sobre terrorismo, dão conta de alegados vínculos entre o regime do Presidente Nicolás Maduro, com organizações terroristas como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) e o Hezbolá.

"Além disso, o Departamento do Tesouro encontrou, em virtude da Lei de Designação de Narcotraficantes Estrangeiros, que o regime de (Nicolás) Maduro, na Venezuela, não tomou medidas contra altos funcionários do Governo venezuelano, que estão sob sanções de Estados Unidos", afirma.

Estas sanções a estes altos funcionários venezuelanos, segundo o documento têm lugar "por ajudar atividades de tráfico de drogas do grupo terrorista FARC, que há mais de cinquenta anos levou acabo uma guerra de guerrilha contra o povo colombiano e alimentou as suas atividades terroristas através do tráfico de armas e de drogas".

"A Venezuela não tem cooperado plenamente com os esforços anti-terrorismo dos EUA e relatórios credíveis apontam que o ilegítimo ditador (Nicolás) Maduro permitiu o apoio a atividades que beneficiavam conhecidos grupos terroristas", explica.

Segundo o documento "não surpreende que a ditadura de Maduro tenha ajudado e incitado os terroristas". "Após anos de cooperação com as FARC, o ELN e outros terroristas narcotraficantes, a Venezuela tornou-se um "narco-estado", explica.

A carta refere que o ex-vice-presidente da Venezuela Tareck El Aissami foi sancionado pelo Departamento do Tesouro dos EUA por alegados vínculos com o narcotráfico e que "dois sobrinhos de Maduro" cumprem atualmente uma condena de 18 anos numa prisão norte-americana "por conspirar para importar cocaína nos Estados Unidos".

"A crise na Venezuela é terrível e se agrava a cada dia. Os EUA devem usar todas as ferramentas disponíveis para proteger a pátria e o povo norte-americano da ditadura venezuelana, e da relação da Venezuela com o terrorismo e o narcotráfico", afirma.

No documento os senadores dizem ainda acreditar "firmemente" a Venezuela "cumpre os critérios necessários para designar o atual governo venezuelano como um Estado patrocinador do terrorismo".