Projetos Expresso

“A simplificação fazia falta ao Estado. As pessoas e as empresas estão carregadas de processos”

24 janeiro 2023 20:08

Ana Baptista

O painel de debate do Encontro Fora da Caixa contou com a presença de Joaquim Ferreira, da Artevasi; João Lemos, da iStore; Tiago Vasconcelos, da I-SETE e ainda Francisco Cary, da CGD

rui oliveira

O primeiro Encontro Fora da Caixa de 2023 decorreu esta terça-feira à tarde em Vila Nova de Gaia e contou com três das empresas vencedoras dos Prémios Expresso PME, que foram entregues poucas horas antes

24 janeiro 2023 20:08

Ana Baptista

A inflação, a guerra, os entraves às cadeias logísticas de abastecimento, o preço da energia, a sustentabilidade, a falta de mão de obra qualificada e não qualificada, as taxas de juro a subir, a retração do consumo, a instabilidade política em Portugal, Europa e no mundo… Os desafios para 2023 são muitos e diferentes, tal como o número de empresas e de sectores que existem em Portugal. Este foi o tema do primeiro Fora da Caixa deste ano a que Expresso se associou e que juntou, na tarde desta terça-feira, Paulo Macedo, CEO; António Morais, presidente e Francisco Cary, administrador executivo da parte da CGD; Luís Braga da Cruz, ex-ministro da Economia do governo de António Guterres e ainda Joaquim Ferreira, CFO da Artevasi; Joao Lemos, administrador da iStore; e Tiago Vasconcelos, sócio gerente da I-SETE, três das empresas vencedoras dos Prémios Expresso PME | Caixa Top entregues antes deste encontro.

Estas são as principais conclusões.

1. Desafios

  • Neste momento, inflação e taxas de juro elevadas são as expressões mais presentes na mente e na boca de todos os gestores de empresas e de todas as pessoas, acima de tudo, as que têm um empréstimo no banco. Para as pessoas, porque as duas situações juntas “reduzem o seu rendimento disponível”, diz Joaquim Ferreira. E para as empresas, porque, com as famílias desfalcadas, “o consumo é afectado”, acrescenta. Mas também, repara Paulo Macedo, porque faz aumentar os custos: os de financiamento, das matérias-primas e da energia.
  • Mas, a inflação e as taxas de juro não são um desafio só por si. O problema é sim a forma como vão evoluir, considera o CEO da Caixa Geral de Depósitos. É esta incerteza, aliada à incerteza da evolução e dos impactos da guerra na Ucrânia, que tanto pesa os gestores. “A instabilidade política na Europa e no mundo preocupa-nos”, diz Tiago Vasconcelos.
  • Outro “grande desafio” para 2023 é a mão-de-obra, ou a falta dela, diz João Lemos. E não só de pessoal qualificado, por exemplo em engenharias ou tecnologias avançadas. Também está em falta pessoal não qualificado, como motoristas para empresas de transportes, nota Paulo Macedo.

2. Prioridades

  • Não podendo estalar os dedos e fazer descer a inflação e as taxas de juro, algumas prioridades para 2023 são as mesmas que existem há muitos anos. Porque continuam sem ser resolvidas. Uma delas é eliminar os custos de contexto, como a demora dos processos judiciais, nota Paulo Macedo. Ou as burocracias dos organismos públicos. “A simplificação fazia falta ao Estado. As pessoas e as empresas estão carregadas de processos”, diz Joaquim Ferreira.
  • Mas, se houve algum consenso na tarde de hoje, foi que a maior prioridade para 2023 devem ser as pessoas. Dentro das empresas, que têm de dar melhores condições de trabalho e melhores salários aos empregados. E do Estado, que se deve preocupar com as famílias que estão a passar dificuldades”, remata João Lemos.

Premiar as PME

Tiago Vasconcelos, da I-SETE (à esquerda) recebeu o prémio na categoria de Serviços dos Prémios Expresso PME. Francisco Cary, da CGD, entregou o diploma.

Tiago Vasconcelos, da I-SETE (à esquerda) recebeu o prémio na categoria de Serviços dos Prémios Expresso PME. Francisco Cary, da CGD, entregou o diploma.

rui oliveira

  • As três empresas que estiveram no painel de debate do Encontro Fora da Caixa foram algumas das vencedoras dos Prémios Expresso PME que distinguem, há já cinco anos, as Pequenas e Médias Empresas que apresentam um crescimento num determinado ano, neste caso 2021.
  • Além da Artevasi, da iStore e da I-SETE, receberam diplomas, também esta terça-feira, mais cerca de 20 empresas para a maioria das quais a incerteza da inflação e das taxas de juro são também o grande desafio para 2023.
  • Mas, apesar disso, a vida continua, dizem, e ter passado pela pandemia até foi uma vantagem, porque agora sentem-se com uma maior capacidade de resposta às adversidades e às incertezas.