Guerra na Ucrânia

Guerra na Ucrânia: Greenpeace bloqueia descarregamento de gás natural russo na Finlândia

17 setembro 2022 13:46

Greenpence em ação no Mar Báltico

picture alliance

"É totalmente inaceitável que o gás russo continue a circular na Finlândia, mais de seis meses após (Vladimir) Putin (Presidente russo) ter iniciado a invasão à Ucrânia", disse o ativista da Greenpeace Olli Tiainen em comunicado

17 setembro 2022 13:46

Ativistas da Greenpeace bloquearam hoje uma descarga de gás russo num terminal de gás natural liquefeito (GNL) em Tornio, no norte da Finlândia, revelaram os operadores do terminal e a organização ambientalista.

"Trata-se de um navio de carga que contém gás natural liquefeito da Rússia", confirmou à France-Presse Olga Vaisanen, porta-voz do grupo finlandês Gasum, que é o importador da carga bloqueada.

O diretor da Manga LNG (sigla de GNL em inglês) que gere o terminal, Mika Kolehmainen, explicou que a ação começou de madrugada e que os militantes impedem que seja feito o descarregamento do navio que transporta o gás para a área do terminal, localizado muito perto da fronteira com a Suécia.

Na semana passada, ativistas da Greenpeace também bloquearam uma descarga de GNL russo num terminal de gás natural em Nynäshamn, perto de Estocolmo, na Suécia.

"É totalmente inaceitável que o gás russo continue a circular na Finlândia, mais de seis meses após (Vladimir) Putin (Presidente russo) ter iniciado a invasão à Ucrânia", disse o ativista da Greenpeace Olli Tiainen em comunicado.

"O governo finlandês e a primeira-ministra, Sanna Marin, devem proibir imediatamente todas as importações de combustíveis fósseis russos", acrescentou.

Atualmente, não existem sanções europeias sobre as importações de gás provenientes da Rússia, apenas sobre o petróleo e o carvão.

A Rússia interrompeu as entregas às Finlândia através de gasoduto em maio, citando questões de pagamento, mas a entrega de gás liquefeito por navio continua.

Na passada quarta-feira, porém, a tensão aumentou entre Moscovo e a União Europeia em relação às entregas de gás, com o Presidente Vladimir Putin a ameaçar parar todo o fornecimento de hidrocarbonetos em caso de um limite de preços, uma possibilidade admitida por Bruxelas.

A Rússia lançou uma ofensiva militar na Ucrânia com inicio a 24 de fevereiro, que ainda dura, levando a União Europeia, além de outros países sobretudo ocidentais, a impor fortes sanções económicas e políticas contra Moscovo.