Guerra na Ucrânia

Central de Zaporíjia desliga reator e Rússia diz que situação “está controlada”

1 setembro 2022 12:17

maxar technologies handout handout

O reator da central nuclear foi desligado “como resultado de outro bombardeamento de morteiros pelas forças de ocupação russas”, informou através a agência estatal ucraniana Energoatom

1 setembro 2022 12:17

A central nuclear ucraniana de Zaporíjia desligou esta quinta-feira um dos seus reatores após vários bombardeamentos nos arredores, enquanto a Rússia, que controla a instalação, diz que a situação está “controlada”.

A agência estatal ucraniana Energoatom informou através da rede social Telegram que “como resultado de outro bombardeamento de morteiros pelas forças de ocupação russas no local da central nuclear de Zaporíjia, a proteção de emergência foi ativada e a quinta unidade operacional de energia foi desligada".

A central nuclear, a maior da Europa e a terceira maior do mundo, já foi desligada da rede na semana passada, por motivos que ainda não foram totalmente esclarecidos.

Numa altura em que se aguarda a chegada ao local de uma missão de especialistas da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) da ONU, o Ministério da Defesa russo disse esta quinta-feira que a situação em Zaporíjia está "sob controlo".

"A situação em torno da central nuclear é complicada, mas está sob controlo", diz um comunicado divulgado pelo Ministério russo.

A nota reitera a disposição das forças russas em receber os inspetores da AIEA e garantir condições de segurança para que realizem o seu trabalho.

Antes, o exército russo acusou as tropas ucranianas de terem enviado uma equipa de "sabotadores" para as proximidades da central nuclear, no dia da visita da AIEA.

Por outro lado, e de acordo com informações do ex-presidente da Câmara da cidade, Dmytro Orlov, os russos atacaram novamente Enerhodar, a cidade satélite perto da central nuclear, onde vários civis ficaram feridos.

As autoridades pró-russas da região disseram que a missão da AIEA já entrou em território controlado pelo Exército russo na região de Zaporíjia e que se dirige para Energodar, cidade vizinha da central.

Entretanto, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) pediu esta quinta-feira a suspensão de todas as operações militares em torno da central nuclear, alertando que um ataque seria "catastrófico".

"É altura de parar de brincar com o fogo e de tomar medidas concretas", disse o diretor-geral do CICV, Robert Mardini, a jornalistas em Kiev.

“O menor erro de cálculo pode causar estragos que lamentaríamos por décadas”, alertou Mardini.

Uma coluna com cerca de 20 carros, metade destes identificados com as siglas da ONU, e uma ambulância, chegou à localidade de Zaporíjia, localizada a cerca de 50 quilómetros em linha reta da central nuclear, ao início da tarde de quarta-feira.

A missão da agência, de 14 pessoas, recebida pelo Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky no dia anterior em Kiev, deixou a capital, na manhã de quarta-feira.

A Rússia admitiu permitir que a AIEA estabeleça uma representação permanente na central nuclear de Zaporíjia, acedendo às exigências de Kiev.

"Vamos ver os resultados iniciais da sua presença lá, primeiro. (…) Mas não descartamos essa possibilidade. O assunto está a ser analisado", disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Andrei Rudenko, citado pela agência Interfax.

O diretor-geral desta agência da ONU, Rafael Grossi, confirmou na quarta-feira, antes de partir de Kiev em direção a Zaporíjia, que a missão tenciona passar vários dias na central e que a organização também pretende criar uma representação permanente nas instalações.

A central caiu nas mãos das tropas russas em março, logo após Moscovo ter iniciado a invasão da Ucrânia, tendo sido alvo de vários bombardeamentos pelos quais Moscovo e Kiev negam responsabilidade.

Apesar dos relatos de bombardeamentos nas proximidades de Zaporíjia, o diretor-geral da AIEA decidiu manter as visitas à central nuclear.

"Houve atividades militares, inclusive esta manhã, há alguns minutos, mas não paramos, vamos continuar", disse Grossi aos jornalistas.

"Vamos começar imediatamente a avaliar a situação de segurança da fábrica", acrescentou.