Guerra na Ucrânia

A guerra da informação e a “reconciliação impossível”: revista de imprensa russa

5 agosto 2022 16:16

Imagem de satélite da prisão de Olenivka, em Donetsk, onde dezenas de prisioneiros de guerra ucranianos terão morrido num ataque a 29 de julho

epa/lusa

Ataque que vitimou prisioneiros de guerra está no centro da propaganda cruzada. Discurso endurece à medida que a invasão se arrasta

5 agosto 2022 16:16

A agência noticiosa oficial russa Tass contava, quarta-feira à noite, que a Rússia convidou uma missão de apuramento das Nações Unidas para investigar um ataque com mísseis que matou pelo menos 50 prisioneiros de guerra ucranianos detidos na província de Donetsk, no leste do país e ocupada por Moscovo. A Rússia tinha bloqueado esta iniciativa durante vários dias após o ataque, ocorrido a 29 de julho. Entre as vítimas mortais estavam membros do batalhão Azov que se tinham rendido em maio em Mariupol, a cidade destruída após a invasão russa, iniciada a 24 de fevereiro.