Guerra na Ucrânia

Porta-voz da UE alega que funcionários das embaixadas da Rússia “fingem ser diplomatas" para espiar os estados anfitriões

26 maio 2022 9:58

contributor

Portugal é um dos países em que há suspeita de espionagem. “Alguns deles usam uma capa para esconder o seu envolvimento em atividades de espionagem ou atividades impróprias”, acusa o porta-voz da UE para os assuntos externos

26 maio 2022 9:58

A Rússia tem enviado funcionários para as suas embaixadas, para realizar ações de espionagem, alerta o porta-voz da União Europeia (UE) para os assuntos externos, Peter Stano. Em entrevista à “CNN Portugal”, o responsável alega que Putin coloca um número desproporcionalmente grande de funcionários "que fingem ser diplomatas" em embaixadas russas na União Europeia para espiar os estados anfitriões.

“As embaixadas russas, especialmente nos países da União Europeia, têm um número desproporcionalmente alto de diplomatas. Em países com, por exemplo, 10 milhões de habitantes, eles acabam por ter dezenas e dezenas de diplomatas”. O porta-voz dá o exemplo de Portugal: “A embaixada de Portugal em Moscovo provavelmente tem no máximo dez diplomatas para lidar ativamente com vários assuntos, mas no caso da Rússia isto não acontece desta forma: o Kremlin tem 100 diplomatas na sua missão na União Europeia e depois tem outros 100 na missão bilateral com a Bélgica”.

De acordo com Peter Stano, vários países, incluindo Portugal, optaram por expulsar funcionários russos das missões diplomáticas. “Nós apenas os expulsamos porque alguns deles usam uma capa para esconder o seu envolvimento em atividades de espionagem ou atividades impróprias que não estão de acordo com o status diplomático, ou com a Convenção de Viena”.