Guerra na Ucrânia

Um terço dos soldados russos ligados ao massacre de Bucha já tinham combatido na Síria

6 abril 2022 15:44

Vala comum de civis assassinados em Bucha, nos arredores de Kiev, em abril de 2022

sergei supinsky/afp/getty images

Pelo menos 24 russos da 155ª Brigada de Fuzileiros Navais da Frota do Pacífico já tinham apoiado as forças leais a Bashar al-Assad, garante jornal ucraniano

6 abril 2022 15:44

Um terço dos soldados russos pertencentes à 155ª Brigada de Fuzileiros Navais da Frota do Pacífico — regimento que ocupou e subjugou a cidade ucraniana de Bucha durante semanas — já tinham combatido na Síria, apoiando as forças leais ao ditador Bashar al-Assad. A informação é avançada pelo jornal independente ucraniano “The New Voice of Ukraine”.

Jornalistas do Slidstvo.Info consultaram registos do Ministério da Defesa da Ucrânia referentes à 155ª Brigada de Fuzileiros Navais da Frota do Pacífico e descobriram que pelo menos 24 desses militares russos já tinham sido mobilizados para a Síria.

Os restantes elementos da brigada, com sede em Vladivostok, são aparentemente bastante jovens para já terem participado em missões militares na Síria, uma vez que muitos deles nasceram entre 1998 e 2022.

De acordo com os serviços de inteligência de Kiev, esta unidade militar russa ocupou os subúrbios de Bucha, Irpin e Gostomel, de onde chegam imagens de civis brutalmente assassinados

O “The New Voice of Ukraine” escreve que estes fuzileiros russos de 20 e poucos anos estão a exibir os seus alegados crimes de guerra em Bucha nas redes sociais, onde deixam a ameaça de que vão regressar e repetir os mesmos atos.

Os últimos relatórios divulgados pelo governo ucraniano indicam que os invasores russos mataram pelo menos 340 civis durante a ocupação de Bucha.

De acordo com a procuradora-geral da Ucrânia, Iryna Venediktova, os corpos de pelo menos 410 civis, assassinados por tropas russas, foram encontrados em cidades e aldeias na região de Kiev.