Economia

O vídeo de Zeinal, gestor sem memória: "Não atuei, não li, não fiz nada"

27 fevereiro 2015 16:50

Joana Beleza e Pedro Santos Guerreiro

Seis horas de audição em menos de cinco minutos. Zeinal Bava esteve esta semana na comissão de inquérito ao colapso do Grupo Espírito Santo e levou os deputados à perplexidade. Veja porquê. 

27 fevereiro 2015 16:50

Joana Beleza e Pedro Santos Guerreiro

O antigo presidente da Portugal Telecom e da Oi foi esta quinta-feira ouvido durante cerca de seis horas pelos deputados da comissão de inquérito. A maior parte das perguntas destinou-se a querer saber as relações entre a PT e o BES, bem como as razões, métodos e intervenientes da compra de papel comercial do Grupo Espírito Santo, que acabaram por contagiar a PT de forma irreversível.

Zeinal Bava respondeu, segundo os deputados, muitas vezes de forma insatisfatória, explicando com falta de conhecimento, de intervenção ou de memória a sua não intervenção no processo e a sua relação com Ricardo Salgado. Isso levou os deputados a diversas intervenções críticas.