Empresas

Empresa dona da ANA Aeroportos lucrou mais 64% em 2022

O grupo francês Vinci explora em Portugal os aeroportos e as duas pontes sobre o Tejo em Lisboa.
O grupo francês Vinci explora em Portugal os aeroportos e as duas pontes sobre o Tejo em Lisboa.
CHARLES PLATIAU

A Vinci registou um aumento de 64% dos lucros para os 4,26 mil milhões de euros em 2022, com aumentos das receitas em todas as áreas de atividade. As receitas na atividade aeroportuária mais do que duplicaram

A Vinci, dona da ANA Aeroportos, registou em 2022 um aumento dos lucros de 64%, para os 4,26 mil milhões de euros, graças a um forte crescimento das receitas em todas as áreas de atividade, anunciou a empresa francesa esta quinta-feira, 9 de fevereiro, em comunicado.

As receitas cresceram 25% para os 61,68 mil milhões de euros, graças à inclusão nos resultados da empresa de energia renovável Cobra IS, adquirida em 2022, que impulsionou as receitas em 12,5%, com 5,5 mil milhões de euros.

A Vinci realça que “pela primeira vez” na sua história “as receitas internacionais superaram as geradas em França”, representando agora 55% do total, face a 47% em 2021, segundo o comunicado da gestora de infraestruturas.

As concessões representaram 9,2 mil milhões de euros em receita, mais 30% face a 2021, com 6 mil milhões de euros em receitas na Vinci Autoroutes, a empresa responsável pela gestão das concessões de autoestradas francesas, mais 8%.

A receita proveniente da gestão de aeroportos mais do que duplicou face a 2021 para os 2,7 mil milhões de euros, subindo 2% face a 2019, o último ano livre dos efeitos da pandemia da covid-19.

A Vinci Highways, que gere infraestruturas rodoviárias em vários países do mundo - com uma participação de 49,5% na Lusoponte, gestora das concessões das duas pontes sobre o rio Tejo em Lisboa - teve 300 milhões de euros em receitas, mais 55% face a 2021.

A Vinci Energies, o braço de geração de energia da empresa, teve receitas de 16,7 mil milhões de euros, mais 11% face a 2021; ao passo que o segmento de construção registou mais 11% face ao ano anterior para os 29,3 mil milhões de euros.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: piquete@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas